Ahmadinejad diz que Irã ofereceu empréstimo ao Egito

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013 10:06 BRST
 

CAIRO, 6 Fev (Reuters) - O Irã ofereceu emprestar dinheiro para o descapitalizado Egito, apesar de estar sob sanções econômicas internacionais por causa de seu programa nuclear, afirmou o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, em uma entrevista publicada nesta quarta-feira.

Os dois países não têm relações diplomáticas, mas o primeiro presidente islamista do Egito, Mohamed Mursi, deu a Ahmadinejad o tapete vermelho de boas-vindas na terça-feira, quando ele se tornou o primeiro líder iraniano a visitar o Egito em mais de 34 anos.

"Eu já disse anteriormente que podemos oferecer uma linha de crédito grande para os irmãos do Egito, e muitos serviços", disse Ahmadinejad ao jornal egípcio Al-Ahram, em entrevista. Ele não disse se havia recebido qualquer resposta.

O presidente disse que a economia iraniana foi afetada pelas sanções, mas que é uma "grande economia" e estava testemunhando "assuntos positivos", dizendo que as exportações estavam aumentando gradualmente.

Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais buscam sufocar as vitais exportações de petróleo do Irã com o embargo sobre as importações da República Islâmica e cortando seu acesso ao transporte, seguro e financiamento.

O Egito divulgou na terça-feira que suas reservas estrangeiras haviam caído abaixo do nível de 15 bilhões de dólares que cobre três meses de importações, apesar de depósitos recentes do Catar para apoiá-lo.

O turismo foi duramente atingido pela instabilidade desde o levante que derrubou o autoritário presidente Hosni Mubarak há dois anos, e os investimentos estão paralisados devido à incerteza política e econômica que se seguiu.

Ahmadinejad disse que houve pouco progresso na restauração dos laços entre os dois Estados mais populosos do Oriente Médio, interrompidos após a revolução islâmica de 1979 no Irã e a assinatura de um tratado de paz entre Egito e Israel no mesmo ano.

(Reportagem de Tom Perry)

 
Presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, fala durante coletiva de imprensa após visitar o xeque Ahmed al-Tayeb na histórica mesquita e universidade al-Azhar, no Cairo. 05/02/2013 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany