Tribunal de Haia ordena que Líbia lhe entregue chefe da espionagem de Gaddafi

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013 13:26 BRST
 

AMSTERDÃ, 7 Fev (Reuters) - Os juízes do Tribunal Penal Internacional (TPI), com sede em Haia, na Holanda, ordenaram nesta quinta-feira que a Líbia entregue o chefe de espionagem do ex-líder líbio Muammar Gaddafi e permitam que ele se reúna com seu advogado. A decisão intensifica a disputa sobre quem tem o direito de julgar os principais assessores do líder deposto.

A declaração colocou o tribunal de Haia em rota de colisão com os novos governantes da Líbia, que dizem que os dirigentes do regime de Gaddafi sob sua custódia devem enfrentar a Justiça local pelas acusações de assassinatos em massa e outras atrocidades.

Os juízes do TPI afirmaram que a Líbia deveria extraditar Abdullah al-Senussi por seu suposto papel na orquestração de represálias contra os manifestantes de oposição, no levante que derrubou Gaddafi em 2011.

"A Líbia continua com a obrigação de atender ao pedido de entrega", disseram os juízes em sua declaração.

Eles iriam decidir mais tarde como responder se o Estado norte-africano continuarem a manter Al-Senussi sob sua custódia, acrescentaram os juízes. O tribunal tem o poder de remeter a questão para o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU).

"O TPI ordenou a suspensão imediata da pressa indecorosa da Líbia de levar o Sr. Al-Senussi para a forca antes que a lei siga seu caminho", afirmou Ben Emmerson, advogado de Al-Senussi no TPI.

Os juízes também ordenaram que a Líbia conceda a Emmerson acesso ao seu cliente.

A Líbia se tornou um caso-teste da eficácia do tribunal, criado há dez anos e que conta com a cooperação dos países membros para prender suspeitos e executar as suas ordens.

(Reportagem de Thomas Escritt)