Premiê espanhol divulga declarações de impostos em meio a escândalo

sábado, 9 de fevereiro de 2013 14:14 BRST
 

Por Sonya Dowsett

MADRI, 9 Fev (Reuters) - O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, divulgou suas declarações de impostos neste sábado numa tentativa de conter relatos de que ele e outros políticos conservadores receberam pagamentos secretos em dinheiro, mas a oposição afirmou que muitas questões continuam sem resposta.

O site do governo divulgou documentos da autoridade tributária detalhando a renda e os pagamentos de impostos de Rajoy de 2004 a 2012. Seu Partido do Povo (PP), atualmente no poder, também revelou quatro anos de contas financeiras na sexta-feira, em mais uma tentativa de dar fim ao assunto.

O escândalo, centrado em registros supostamente feitos por um ex-tesoureiro do partido, derrubou o apoio ao PP ao menor nível já visto e elevou os custos de financiamento, num momento em que parecia que a Espanha estava conseguindo lidar com a crise financeira que levantou perguntas sobre o futuro da zona do euro.

O ex-tesoureiro do PP Luis Barcenas descreveu como falsos os documentos contábeis publicados em 31 de janeiro pelo jornal El País que, segundo o veículo, mostram pagamentos financiados por companhias de construção feitos a líderes do partido, incluindo Rajoy.

Rajoy disse que os pagamentos não foram feitos e que o partido está organizando uma auditoria externa sobre o assunto.

A porta-voz do partido Socialista, de oposição, Soraya Rodriguez, disse que espanhóis querem mais do que os registros tributários de Rajoy.

"Espanhóis estão cansados de esperar por respostas que nunca vêm", disse ela a jornalistas em Valladolid neste sábado.

 
O primeiro-ministro da Espanha, Mariano Rajoy, fala durante coletiva de imprensa em Bruxelas, Bélgica. Rajoy divulgou suas declarações de impostos neste sábado numa tentativa de conter relatos de que ele e outros políticos conservadores receberam pagamentos secretos em dinheiro, mas a oposição afirmou que muitas questões continuam sem resposta. 8/02/2013 REUTERS/Eric Vidal