Irã rejeita pressão ocidental no aniversário da revolução

domingo, 10 de fevereiro de 2013 12:35 BRST
 

DUBAI, 10 de Fev (Reuters) - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, disse neste domingo que Teerã não irá negociar seu controverso programa nuclear sob pressão, mas que conversará com seus adversários se pararem de "apontar a arma".

Em um discurso para marcar o 34º aniversário da revolução islâmica, Ahmadinejad usou um tom mais conciliador que o Aiatolá Ali Khamenei, que no último dia 7 refutou um pedido dos Estados Unidos por negociações diretas das questões em disputa entre os dois países.

Ahmadinejad não tem autoridade para autorizar negociações sobre o programa nuclear, que cabem ao líder supremo Khamenei. Os Estados Unidos e alguns de seus aliados suspeitam que o Irã possa estar tentando desenvolver armas atômicas sob o manto de um programa nuclear de energia para uso civil, acusação que o Irã nega.

"Você não pode apontar uma arma para a nação iraniana e esperar que eles negociem com você", afirmou Ahmadinejad, discursando para uma plateia reunida na Praça Azadi (Liberdade), em Teerã.

Sua fala, que lidou em parte com a política iraniana em relação a seus ‘inimigos', foi transmitida ao vivo na TV estatal do país. "As conversas não deveriam ser usadas como uma alavanca para impor opiniões".

Ele acrescentou: "Se vocês pararem de apontar a arma para a nação iraniana, eu mesmo negociarei (com vocês)".

Na quinta-feira, Khamenei rechaçou uma oferta de negociações diretas com os Estados Unidos, dizendo que negociações e pressão são incompatíveis.

(Reportagem de Yeganeh Torbati)

 
O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, fala durante coletiva de imprensa no fim de sua visita ao Cairo, no Egito. Ahmadinejad disse neste domingo que Teerã não irá negociar seu controverso programa nuclear sob pressão, mas que conversará com seus adversários se pararem de "apontar a arma". 7/02/2013 REUTERS/Asmaa Waguih