Partido do presidente da Tunísia deixa governo islâmico

domingo, 10 de fevereiro de 2013 12:31 BRST
 

TÚNIS, 10 de Fev (Reuters) - O patido secular do presidente da Tunísia, Moncef Marzouki, retirou seus três ministros do governo islâmico neste domingo, dizendo que suas exigências por mudanças no gabinete não foram atendidas.

A decisão do Partido Congresso para a República, de Marzouki, desfere um novo golpe no governo do primeiro-ministro Hamadi Jebali, já debilitado após o assassinato do líder secular da oposição, Chokri Belaid, na semana passada.

"Faz uma semana que estamos dizendo que, se os ministérios das Relações Exteriores e da Justiça não fossem modificados, deixaríamos o governo", disse Samir Ben Amor, uma autoridade do partido, à Reuters.

"Esta decisão não tem nada a ver com a decisão do primeiro-ministro de formar um governo de tecnocratas", afirmou Ben Amor, referindo-se à intenção manifesta de Jebali de nomear um gabinete não-partidário para cuidar de temas do dia-a-dia até que eleições sejam realizadas.

A morte de Belaid na quarta-feira - o primeiro assassinato político na Túnisia em décadas - lançou o governo e o país no caos, ampliando as divisões entre o dominante partido islâmico Ennahda e seus adversários de inclinação secular.

Políticos veteranos do Ennahda, assim como de seus dois parceiros de coalizão não-islamistas, criticaram Jebali por propor um governo tecnocrata, dizendo não terem sido consultados.

(Por Tarek Amara)

 
O presidente da Tunísia, Moncef Marzouki, escuta a seu hino nacional no Parlamento Europeu, em Estrasburgo. Marzouki retirou seus três ministros do governo islâmico, dizendo que suas exigências por mudanças no gabinete não foram atendidas. 6/02/2013 REUTERS/Jean-Marc Loos