Barenistas discutem reconciliação pela primeira vez desde julho de 2011

domingo, 10 de fevereiro de 2013 13:20 BRST
 

MANAMA, BAHREIN, 10 de Fev (Reuters) - O governo do Bahrein e a oposição deram início a reuniões de reconciliação neste domingo pela primeira vez desde julho de 2011 para tentar por fim a um impasse político de dois anos no reino insular estrategicamente vital do Golfo Árabe.

Lar da Quinta Frota dos Estados Unidos, o pequeno país tem sido palco de desordem desde protestos em massa a favor da democracia no início de 2011. Desde então, a nação tornou-se a linha da frente numa disputa por influência entre o xiita Irã e países sunitas, como a Arábia Saudita, que varre toda a região.

Os distúrbios em massa foram massacrados, mas manifestantes que pertencem principalmente à maioria xiita do Bahrein deram continuidade a pequenos protestos quase diariamente, exigindo que a família sunita que atualmente encontra-se no poder organize eleições e crie uma monarquia constitucional.

Embora membros da oposição expressem otimismo bastante cauteloso de que as negociações representam um significativo passo adiante, eles também se mostram preocupados com o fato de que a pauta das discussões ainda não é clara.

O principal movimento de oposição, o Wefaq, vai decidir na segunda-feira se vai continuar com o diálogo baseado na reunião inicial deste domingo, disse a autoridade sênior do Wefaq, Khalil Ibrahim, antes das discussões.

"Nós acertamos com todos os nossos partidos políticos que vamos avaliar a primeira reunião e decidir. Decidiremos amanhã", disse Ibrahim. O Wefaq é o maior numa coalizão de seis grupos de oposição que exigem uma monarquia constitucional.

A oposição abandonou negociações de reconciliação em julho de 2011, afirmando que elas não foram conduzidas de maneira justa.

O Wefaq conquistou quase metade do eleitorado nas últimas eleições parlamentares, mas o governo recusou-se a sucumbir às demandas da oposição, que querem conceder à casa eleita do Parlamento o poder de formar gabinetes.

(Reportagem de Angus McDowall)

 
Manifestantes levantam bandeiras barenitas durante protesto organizado pelo principal grupo de oposição do Bahrein, o Al Wefaq, em Manama, Bahrein. 6/02/2013 REUTERS/Hamad I Mohammed