Escolha de Obama para o Tesouro abranda críticos e fala em reformas

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013 21:15 BRST
 

Por Anna Yukhananov e Rachelle Younglai

WASHINGTON, 13 Fev (Reuters) - A escolha do presidente Barack Obama para assumir o cargo de secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Jack Lew, se desviou nesta quarta-feira de perguntas mais polêmicas de parlamentares sobre seu trabalho no Citigroup e conseguiu encontrar um denominador comum com seus críticos sobre a necessidade de uma reforma tributária.

Em sabatina sobre sua nomeação, os republicanos fizeram perguntas a Lew sobre seu investimento em um fundo vinculado às Ilhas Cayman e o período em que esteve no Citigroup, sobretudo por conta de um bônus de 940 mil dólares que ele recebeu pouco antes de o banco conseguir um resgate público.

Lew, soando calmo e confiante, afirmou ao Comitê de Finanças do Senado que sua remuneração no Citigroup ficou em linha com a de outros que trabalham no setor financeiro.

O senador Orrin Hatch, integrante da bancada republicana com maior poder de decisão no comitê, disse não ter certeza do que Lew fez como vice-presidente de Operações em duas unidades do Citigroup. Como secretário do Tesouro, Lew seria responsável por regular a atividade em bancos.

"Se você for confirmado, isso pode levar a uma situação desconfortável em que... você estaria dizendo, na prática, a empresas do setor financeiro: faça como eu digo, não como eu fiz", disse Hatch a Lew.

Quando questionado pelo presidente do comitê, o democrata Max Baucus, sobre se há algo que pode representar um conflito de interesse, Lew respondeu: "Não, senhor presidente".

E quando não se falou de sua experiência no banco, a sabatina destacou divergências entre democratas e republicanos sobre como melhor controlar os déficits orçamentários norte-americanos, mas também evidenciou um desejo comum por reformas no código tributário.

Lew adotou uma posição conciliadora, repetindo que olhava adiante para trabalhar em conjunto com o Congresso em uma base bipartidária. Ele disse que uma mudança do código tributário estaria no topo de suas prioridades.   Continuação...