Chávez volta de surpresa à Venezuela e provoca festejos

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 21:57 BRT
 

Por Deisy Buitrago e Mario Naranjo

CARACAS, 18 Fev (Reuters) - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, voltou de surpresa de Cuba nesta segunda-feira, após mais de dois meses se recuperando de uma cirurgia contra o câncer que ameaça encerrar seus 14 anos na Presidência do país exportador de petróleo.

O retorno durante a madrugada do líder socialista, de 58 anos, representa alguma melhora em seu estado de saúde, ao menos o bastante para aguentar várias horas de voo, e renova as esperanças dos partidários de que Chávez voltará ao trabalho.

No entanto, não houve nenhuma informação nova sobre suas condições, nem imagens de sua chegada, e assessores próximos dizem que seu estado permanece "complexo".

O ministro da Comunicação, Ernesto Villegas, garantiu a uma rádio local que a volta de Chávez significa "um pequeno avanço", "uma pequena vitória".

"O fato de que tenha voltado a Havana não significa que o presidente deixou de estar na circunstância difícil ... segue estando em uma situação delicada, complexa", disse Villegas à emissora Unión Radio.

A falta de informação sobre sua doença não deixou claro se ele voltou para assumir o novo mandato que conquistou em outubro ou para começar uma sucessão que incluiria novas eleições, com o vice-presidente Nicolás Maduro como candidato depois que o próprio Chávez o nomeou seu sucessor político.

"Voltamos à pátria venezuelana. Obrigado, meu Deus! Obrigado povo amado. Aqui continuaremos o tratamento", disse Chávez no Twitter.

Após uma operação com seis horas de duração em Cuba no dia 11 de dezembro, Chávez não era visto nem ouvido em público desde então, até que fotos dele foram publicadas na sexta-feira.   Continuação...

 
Apoiadores do presidente venezuelano, Hugo Chávez, participam de manifestação na Plaza Bolivar, em Caracas. Chávez voltou de surpresa de Cuba nesta segunda-feira, após mais de dois meses se recuperando de uma cirurgia contra o câncer que ameaça encerrar seus 14 anos na Presidência do país exportador de petróleo, disseram ministros e o próprio presidente. 18/02/2013 REUTERS/Carlos Garcia Rawlins