Bolívia denuncia na ONU prisão de três soldados no Chile

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013 18:27 BRT
 

LA PAZ, 18 Fev (Reuters) - A Bolívia afirmou nesta segunda-feira que se queixou na Organização das Nações Unidas (ONU) da detenção no Chile de três soldados bolivianos que atravessaram a fronteira e agora estão em uma prisão chilena à espera de julgamento comum por porte de armas.

A captura dos soldados, que segundo o governo da Bolívia faziam parte de uma patrulha para combater o contrabando, aumentou a tensão entre Santiago e La Paz, que nos últimos meses voltaram a se enfrentar retoricamente por uma antiga demanda boliviana de recuperação de uma saída soberana ao oceano Pacífico.

O embaixador da Bolívia na ONU, Sacha Llorenti, disse em carta ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que a ação do governo chileno violaria vários esforços bilaterais e multilaterais para combater o crime organizado e resolver incidentes internacionais.

"Um Estado (Chile) não deve atribuir competência para os seus tribunais internos para determinar a responsabilidade internacional de um outro Estado por supostas violações do direito internacional", disse Llorenti na carta, cuja cópia foi distribuída pelo Ministério do Exterior boliviano.

Os três soldados, que foram declarados "grandes heróis defensores do mar" pelo presidente Evo Morales, serão submetidos em 25 de fevereiro a um julgamento preliminar por entrada ilegal e posse de armas num tribunal no norte do Chile.

Bolívia e Chile não têm relações diplomáticas desde 1978 por causa da disputa sobre o acesso ao mar que remonta a uma guerra do século 19.

Quase dois anos atrás, Morales anunciou que a Bolívia iria levar a reivindicação marítima a um tribunal internacional em Haia, mas ainda não se sabe quando.

(Reportagem de Carlos A. Quiroga)