Ataque com foguete militar sírio mata 20 em Aleppo; 25 estão desaparecidos

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013 14:30 BRT
 

AMÃ, 19 Fev (Reuters) - Um ataque de foguete do Exército sírio em um bairro controlado pelos rebeldes na cidade de Aleppo matou pelo menos 20 pessoas e outras 25 estão desaparecidas, disseram ativistas da oposição nesta terça-feira.

O míssil foi identificado a partir de seus restos como um foguete do tipo Scud que as forças do governo têm usado cada vez mais em áreas sob controle da oposição na província de Aleppo e na província de Deir Zor-a, relataram os ativistas.

"O foguete derrubou três edifícios adjacentes no bairro de Jabal Badro. Os corpos estão sendo tirados de forma gradual. Alguns, incluindo crianças, morreram em hospitais", disse Mohammad Nour por telefone, de Aleppo. Ele afirmou que o depoimento de sobreviventes indicava que 25 pessoas ainda estavam sob os escombros.

Imagens de vídeo mostraram dezenas de pessoas vasculhando o local em busca de vítimas e inspecionando os danos. Um corpo era puxado debaixo de uma estrutura de concreto desabada. Em um hospital próximo, um bebê que teria sido retirado dos destroços foi mostrado morrendo nas mãos dos médicos.

Abdeljabbar al-Akeidi, chefe do rebelde Conselho Militar de Aleppo, na maior cidade da Síria e centro comercial no passado, foi mostrado em um vídeo inspecionando o local.

Combatentes da oposição síria capturaram várias bases militares em Aleppo nos últimos dois meses, privando o Exército de locais seguros de onde as tropas vinham disparando artilharia em bairros controlados pelos rebeldes na cidade e zonas rurais ao redor.

Salvas de foguetes durante a última semana atingiram as cidades de Tel Rifaat e Dar Izza na zona rural de Aleppo, assim como as cidades orientais de Albu Kamal e Mou Hassan, perto da fronteira com o Iraque.

Abu Mujahed, do grupo de oposição Sham News Network em Aleppo, disse que, embora os rebeldes estivessem presentes em Jabal Badro, a área no extremo leste da cidade tinha pouco valor estratégico.

"Jabal Badro está com a oposição há meses e a vida era normal no distrito. Lojas estavam abertas e as pessoas estavam indo para o trabalho", disse Abu Mujahed. "Usar uma arma devastadora como um Scud pretende agitar a raiva contra o (rebelde) Exército Livre da Síria e minar sua base de apoio popular."

A Síria tem sido abalada por uma revolta e uma guerra civil durante quase dois anos, com uma estimativa de 70.000 mortos, e os investigadores da ONU dizem que os crimes de guerra, incluindo ataques deliberados contra civis, foram cometidos por ambos os lados.

(Reportagem de Khaled Yacoub Oweis)