Farc comparam governo colombiano a "Pinóquio" em pleno diálogo de paz

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013 15:55 BRT
 

HAVANA, 20 Fev (Reuters) - As Farc compararam nesta quarta-feira o governo colombiano com o personagem "Pinóquio", uma das mais fortes reações da guerrilha à acusação repetida de que tirou terra dos camponeses em meio ao conflito armado interno a que tentam pôr fim em um diálogo em Cuba.

Durante as discussões da espinhosa questão agrária, a primeira da agenda de negociação de paz e sobre a qual ambas as partes só reconheceram "aproximações", o governo do presidente Juan Manuel Santos agilizou a devolução de terras que garante que foram ocupadas ilegalmente pelas Farc.

"O governo colombiano se parece com Pinóquio, cada vez lhe cresce mais o nariz", disse em Havana a jornalistas um dos negociadores das Farc, Jesús Santrich. Em diversas ocasiões, o grupo rejeitou ter pego terras dos camponeses.

O ministro colombiano da Agricultura, Juan Camilo Restrepo, voltou a indicar a guerrilha na terça-feira, quando anunciou que serão recuperados 100.000 hectares de terras que foram ocupadas de maneira irregular para entregá-las a camponeses pobres.

"(Chamar de) Pinóquio é estúpido", enfatizou Santrich pouco antes de ingressar no Centro de Convenções de Havana, onde ocorre a quarta rodada de negociações entre o governo colombiano e as Farc.

A guerrilha de inspiração marxista e o governo iniciaram em meados de novembro um diálogo no qual discutem o tema agrário, o fim do conflito, as garantias para a participação política, o narcotráfico e a indenização às vítimas. Ainda estão no primeiro ponto.

Durante as negociações, ambos questionaram a disposição real de seus parceiros de alcançar a paz e rejeitaram os bombardeios, ataques e sequestros que aumentaram nas últimas semanas.

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), consideradas terroristas pelos Estados Unidos e pela União Europeia, apresentaram propostas que, entre outras coisas, pedem medidas para tirar da pobreza os camponeses e desenvolver a produtividade da terra colombiana.

A equipe negociadora do governo, liderada pelo ex-vice-presidente Humberto de la Calle, não deu declarações nesta quarta-feira, mas ao término do ciclo anterior, em 10 de fevereiro, garantiu que o "bom ritmo" do diálogo dependerá da manutenção da agenda acordada.   Continuação...