21 de Fevereiro de 2013 / às 19:20 / 5 anos atrás

Eleições parlamentares no Egito começam em 27 de abril

CAIRO, 21 Fev (Reuters) - As eleições parlamentares do Egito começarão em 27 de abril e vão terminar em junho, segundo decreto do presidente do país, Mohamed Mursi, nesta quinta-feira.

O novo Parlamento vai se reunir em 6 de julho, de acordo com o decreto.

Um consultor jurídico do presidente, Mohamed Gadallah, havia dito à Reuters que as eleições começariam em 28 de abril e que seriam realizadas “em quatro estágios”.

No começo do dia, o Conselho Shura (Senado) aprovou uma lei eleitoral alterada pela Corte Constitucional, abrindo caminho para Mursi definir uma data para a eleição na Câmara.

A votação será realizada em fases em diferentes regiões por causa de uma escassez de supervisores. A última eleição na Câmara, vencida por islâmicos, durou de novembro de 2011 até janeiro do ano seguinte.

Mursi deve ratificar a lei eleitoral até 25 de fevereiro. A Câmara foi dissolvida no ano passado, depois que o tribunal decidiu que a lei original usada para eleição era injusta.

A nova Câmara deverá ter que decidir sobre duras medidas econômicas que o Fundo Monetário Internacional (FMI) está exigindo em troca de um empréstimo de 4,8 bilhões dólares que o Egito precisa para enfrentar uma crise econômica.

Na segunda-feira, a Corte Constitucional exigiu mudanças em cinco artigos da lei eleitoral revisada. O Conselho Shura aceitou esta decisão e aprovou a legislação sem votação nesta quinta-feira.

“A decisão da Corte Constitucional é obrigatória e não temos o direito de votar. Deve ser cumprido”, disse o líder do Conselho, Ahmed Fahmy.

A nova lei proíbe membros do Parlamento de mudar sua filiação política depois de serem eleitos.

Sob o comando do presidente deposto Hosni Mubarak, os independentes muitas vezes eram persuadidos a aderir ao Partido Nacional Democrático (PND), que monopolizava o Parlamento e a vida política, antes da revolução de 2011.

A lei também estipula que um terço da Câmara deve ser designado para independentes e proíbe ex-integrantes do extinto PND de participar da política por pelo menos 10 anos.

Reportagem de Yasmine Saleh e Marwa Awad

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below