Tunísia prende suspeito de crime que gerou distúrbios

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013 20:41 BRT
 

TÚNIS, 25 Fev (Reuters) - Um radical islâmico foi preso sob suspeita de envolvimento com a morte de um político oposicionista neste mês, num crime que gerou uma onda de protestos no país árabe, disse uma fonte de segurança na segunda-feira.

A morte do político laico Chokri Belaid, em 6 de fevereiro, lançou a Tunísia em sua pior crise desde a revolução que derrubou a ditadura de Zine al Abidine Ben Ali, há dois anos.

"A polícia prendeu um salafista suspeito de matar Belaid", disse a fonte à Reuters, sob anonimato, e sem dar mais detalhes.

No ano passado, grupos salafistas impediram a realização de vários shows e peças teatrais em cidades tunisianas, argumentando que essas diversões violam preceitos islâmicos. Eles também saquearam em setembro a embaixada dos EUA, durante protestos internacionais contra um vídeo anti-islâmico divulgado pela internet.

Uma rádio local informou que três salafistas, inclusive um policial, foram detidos sob suspeita de ligação com a morte de Belaid.

Abd Majid Belaid, irmã do político morto, disse que não poderia confirmar nem negar a informação. Os ministérios do Interior e da Justiça não se pronunciaram.

Depois do crime - primeiro assassinato político em uma década na Tunísia - o primeiro-ministro Hamadi Jebali decidiu antecipar eleições e montar um gabinete provisório de tecnocratas. Mas, sem o apoio do seu partido, o islâmico Ennahda, Jebali renunciou.

O presidente Moncef Marzouki encarregou então o ministro do Interior, Ali Larayedh, de formar um novo governo.

(Reportagem de Tarek Amara)