Sexo e escândalos pairam sobre discussões prévias ao conclave

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013 18:33 BRT
 

Por Tom Heneghan

CIDADE DO VATICANO, 26 Fev (Reuters) - Os escândalos sexuais e disputas de poder que assombram a Igreja Católica devem desempenhar um papel importante nas reuniões prévias ao conclave que escolherá o próximo papa, e na terça-feira dois cardeais defenderam um maior debate interno sobre esses temas.

Um importante grupo de apoio a vítimas de abusos sexuais do clero também fez o que chamou de "último apelo" ao papa Bento 16 para que use sua autoridade antes da efetivação da renúncia, na quinta-feira, e puna bispos que acobertaram padres predadores em suas dioceses.

A questão dos abusos sexuais contra fiéis, principalmente menores, ganhou nova urgência depois que o cardeal escocês Keith O'Brien, acusado de comportamento inadequado com jovens padres, renunciou na segunda-feira ao comando da arquidiocese de Edimburgo e declarou que não participará do conclave na Capela Sistina.

O cardeal Cormac Murphy-O'Connor, que tornou-se assim o único britânico nas reuniões a portas fechadas do pré-conclave, declarou em Londres que o abuso sexual contra crianças é o mais grave escândalo já ocorrido na Igreja.

"Essa será uma das principais coisas que os cardeais irão discutir", disse Murphy-O'Connor, que não pode votar no conclave por ter ultrapassado o limite de 80 anos.

Outro cardeal, o francês Jean-Louis Tauran, disse a um jornal que os agora 115 cardeais eleitores deveriam ser informados sobre um relatório secreto sobre a corrupção no Vaticano, preparado a pedido de Bento 16.

O pontífice renunciante decidiu reservar o relatório para o seu sucessor, mas os três cardeais que o redigiram, todos maiores de 80 anos, poderão informar a seus colegas eleitores sobre algumas das conclusões, durante as consultas da semana que vem.

"Os cardeais eleitores não podem decidir este ou aquele nome para votarem se não souberem o conteúdo do dossiê", disse Tauran ao jornal La Repubblica. "Se for necessário, não vejo por que eles não devem perguntar nomes", acrescentou o cardeal, que já foi ministro de Relações Exteriores do Vaticano, e hoje comanda o departamento para o diálogo inter-religioso.   Continuação...