Corporações pedem à Suprema Corte dos EUA para aprovar casamento gay

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013 11:45 BRT
 

Por Lawrence Hurley

WASHINGTON, 27 Fev (Reuters) - Mais de 200 empresas vão pedir à Suprema Corte dos EUA na quarta-feira para derrubar uma lei federal que restringe a definição de casamento a uniões heterossexuais.

Os advogados que representam as empresas disseram que ingressar com uma petição sobre o caso.

Empresas como a Microsoft, Google, Starbucks e Pfizer estão entre as que aderiram ao processo. Outras companhias incluem Aetna, Amazon.com, e Citigroup.

A Thomson Reuters é outra signatária. A agência de notícias Reuters é parte da Thomson Reuters.

As empresas querem que a Suprema Corte derrube uma artigo fundamental do Ato de Defesa do Casamento (Doma, na sigla em inglês), que é federal e define o casamento como uma união entre um homem e uma mulher.

Separadamente, os advogados que representam outro grupo de empregadores, incluindo algumas das mesmas empresas, já haviam dito que planejavam apresentar uma peça judicial na quinta-feira sobre um caso relacionado que questiona uma lei da Califórnia que proíbe o casamento gay.

Os dois casos devem ser debatidos perante a Suprema Corte em 26 e 27 de março.

Na ação desta quarta-feira, o advogado Sabin Willett escreveu que a Doma "exige que os empregadores tratem um trabalhador de forma diferente do outro, quando são casados, e cada casamento é igualmente legítimo".   Continuação...