4 de Junho de 2014 / às 14:53 / 3 anos atrás

Suzano comprará Vale Florestar por R$529 mi, espera melhora em alavancagem

- Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 4 Jun (Reuters) - A Suzano Papel e Celulose acertou acordo para comprar o Fundo Vale Florestar por cerca de 529 milhões de reais, em uma operação que deve ajudar a companhia a acelerar processo de melhoria de seu perfil de dívida.

O acordo envolve 45 mil hectares de florestas de eucalipto plantadas em áreas arrendadas no Pará e outros 95 mil hectares de mata nativa que até então estavam sob tutela da Vale e deverão ser preservados pela Suzano, afirmou o presidente da companhia, Walter Shalcka, nesta quarta-feira. As terras das áreas não estão incluídas na operação.

O fundo é controlado por Vale, BNDES Participações e pelos fundos de pensão da Caixa (Funcef) e da Petrobras (Petros). A Vale informou que receberá um total de 205 milhões de reais com a venda de sua participação no fundo.

Segundo Shalcka, o acordo permitirá à Suzano melhorar a alavancagem depois que a dívida líquida da companhia encerrou o primeiro trimestre em 4,6 vezes a geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda).

Isso ocorrerá uma vez que a operação alongará de uma média de três para um total médio de 12 anos o pagamento que a empresa terá que fazer para comprar a madeira plantada pelo fundo e que vai abastecer a fábrica de celulose da empresa no Maranhão. Em termos de custo da madeira, pouca coisa muda, disse o Schalka a analistas e jornalistas.

“O objetivo claro é acelerar o processo de desalavancagem. (A aquisição da Vale Florestar) é mais uma etapa nesse processo”, afirmou o executivo.

Até a compra do fundo, a Suzano mantinha desde julho de 2009 acordos para aquisição de madeira das áreas. Segundo Shalcka, haverá dois ciclos de colheita com 2 milhões de metros cúbicos de madeira previstos para o primeiro ciclo.

A Suzano pagará pelos ativos um montante inicial de cerca de 45 milhões de reais e o saldo será quitado em parcelas anuais durante 10 a 15 anos, com a primeira vencendo um ano após a data de conclusão do acordo.

Antes do acordo, a Suzano teria que pagar pela madeira de todo o ciclo pouco após a colheita, em vez das parcelas anuais acertadas na aquisição.

Às 11h23, as ações da Suzano exibiam queda de 1,4 por cento, enquanto o Ibovespa tinha recuo de 0,7 por cento.

Schalka afirmou que após o acordo, a Suzano terá garantido 70 por cento de madeira própria para abastecer sua recém construída fábrica de celulose no Maranhão, com o restante vindo de terceiros.

Ele evitou fazer comentários sobre eventuais novas aquisições de florestas, mas afirmou que a Suzano quer reduzir a distância média de transporte de madeira e que isso se dará por fatores incluindo operações de aquisição, venda de ativos ou troca.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below