22 de Julho de 2014 / às 20:19 / em 3 anos

Dólar cai ante real com inflação nos EUA e alívio na Ucrânia

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em queda ante o real pela terceira sessão consecutiva nesta terça-feira, em linha com outros mercados emergentes, após números de inflação nos Estados Unidos alimentarem expectativas de que os juros não devem subir tão cedo na maior economia do mundo.

O movimento também refletiu o arrefecimento das tensões geopolíticas, após a derrubada do avião malaio no leste da Ucrânia.

A moeda norte-americana recuou 0,54 por cento, a 2,2118 reais na venda, acumulando baixa de 2,08 por cento nos últimos três pregões. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,5 bilhão de dólares.

“O número cheio (da inflação nos EUA) não surpreendeu, mas houve uma pequena desaceleração no núcleo. Como o mercado está bastante sensível a esse tema, foi o suficiente para fazer o dólar depreciar”, afirmou o estrategista-chefe do Banco Mizuho, Luciano Rostagno.

Os preços ao consumidor nos EUA subiram 0,3 por cento em junho, em linha com as expectativas do mercado. Mas o núcleo da inflação desacelerou, levando investidores a apostarem que o Federal Reserve, banco central norte-americano, pode ter margem para aumentar a taxa de juros mais tarde do que o esperado.

Juros mais baixos nos EUA mantêm a atratividade de ativos financeiros de outros países, como o Brasil, com potencial para atrair mais dólares. Nesse quadro, a divisa norte-americana recuava contra diversas moedas emergentes, como o peso mexicano e o rand sul-africano.

Contribuiu para reduzir a pressão sobre o dólar o alívio na crise ucraniana, que vinham afetando os mercados globais desde a semana passada e levando investidores a evitar ativos de risco, como aqueles denominados em real.

Nesta terça-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que a Rússia usará sua influência sobre os separatistas no leste da Ucrânia para permitir investigação completa sobre a queda do avião da Malaysian Airlines.

“A gente percebe que o clima está mais tranquilo, tanto aqui quanto lá fora. Esse alívio nos problemas na Ucrânia deu uma oportunidade para os investidores voltarem ao mercado doméstico”, afirmou o operador de uma corretora nacional.

ELEIÇÃO

O mercado de câmbio também está de olho no processo eleitoral no Brasil. Duas pesquisas indicaram nos últimos dias empate entre a presidente Dilma Rousseff (PT) e o candidato Aécio Neves (PSDB) num eventual segundo turno da disputa à presidência. As notícias vêm num momento em que os mercados financeiros demonstram desconfiança sobre a condução da política econômica do atual governo.

“Daqui para frente, a tendência é que o mercado seja cada vez mais influenciado pelo fluxo de notícias relacionado às eleições”, afirmou o economista da área de análises da XP Investimentos, Daniel Cunha.

O dólar continuou assentado na banda informal de 2,20 a 2,25 reais. Boa parte do mercado acredita que esse intervalo agradaria ao Banco Central brasileiro, por não ser inflacionário e não prejudicar as exportações.

Pela manhã, a autoridade monetária vendeu a oferta total de até 4 mil swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, com volume correspondente a 198,7 milhões de dólares. Foram 3 mil contratos de 2 de fevereiro de 2015 e 1 mil para 1º de junho de 2015.

O BC também vendeu a oferta total de até 7 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em agosto. Ao todo, o BC já rolou pouco menos da metade do lote total, que corresponde a 9,457 bilhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below