4 de Agosto de 2014 / às 21:49 / em 3 anos

Petrobras não deve atingir meta para produção no ano, diz fonte do governo

BRASÍLIA (Reuters) - A Petrobras não deverá atingir sua meta de elevar a produção de petróleo no Brasil em 2014 em 7,5 por cento, estimativa que inclui uma margem de tolerância de 1 ponto percentual para mais ou para menos, disse à Reuters nesta segunda-feira uma fonte do governo federal a par do assunto.

Segundo a fonte, que falou sob condição de anonimato, o atraso da entrada em operação de algumas plataformas impedirá a Petrobras, que é controlada pela União, de atingir a meta de aumento da produção neste ano.

“Vai haver um aumento importante na produção nos próximos meses. (Mas) só se as plataformas entrassem antes seria possível atingir essa meta”, disse a fonte.

No primeiro semestre, a produção da Petrobras no país cresceu 1,4 por cento ante o mesmo período do ano passado, para 1,947 milhão de barris de petróleo por dia (bpd), levantando dúvidas sobre o cumprimento da meta por parte de especialistas do setor privado.

Em todo o ano passado, a média de produção da empresa no Brasil foi de 1,931 milhão bpd. Assim, a Petrobras teria que produzir entre 2,057 milhão e 2,095 milhão de bpd para cumprir a meta deste ano, considerando a faixa de sua estimativa.

O aumento de produção esperado, mesmo que não atinja as metas, ocorrerá após dois anos seguidos de queda na extração do Brasil e num momento em que a estatal investe dezenas de bilhões de dólares no setor.

A alta prevista na produção para este ano está baseada principalmente no crescimento da produção do pré-sal, que tem recebido grande parte dos investimentos, uma vez que a Petrobras lida com o declínio da extração em campos maduros, especialmente na Bacia de Campos, que respondem pela maior parte do petróleo produzido no Brasil.

Procurada, a Petrobras não respondeu imediatamente pedidos de comentários.

ACORDO COM GOVERNO

A mesma fonte disse que até novembro o governo deverá assinar com a Petrobras o contrato que garante à estatal o direto a explorar, sob o regime de partilha, o óleo excedente em quatro áreas do pré-sal do contrato original da cessão onerosa.

A decisão de contratar diretamente a Petrobras para explorar esse excedente --que pode ter entre 10 a 15 bilhões de barris-- foi tomada em junho pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE).

Para isso, a estatal terá de pagar, um bônus de assinatura do contrato de 2 bilhões de reais.

Além disso, a empresa antecipará o pagamento de parte das receitas com o excedente do óleo, num total de cerca de 13 bilhões de reais, dos quais 2 bilhões de reais seriam pagos em 2015, outros 3 bilhões de reais em 2016, 4 bilhões de reais em 2017 e mais 4 bilhões em 2018.

A cessão onerosa foi assinada com a Petrobras em 2010, no processo de capitalização da companhia, e garantiu a ela o direito a explorar 5 bilhões de barris sem licitação.

Com reportagem adiconal de Jeb Blount, no Rio de Janeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below