20 de Agosto de 2014 / às 14:58 / 3 anos atrás

Argentina diz que mudança de jurisdição não quebra contratos de bônus

Ministro da Economia argentino, Axel Kicillof, durante coletiva de imprensa em Buenos Aires. 20/08/2014.Marcos Brindicci

BUENOS AIRES (Reuters) - O plano do governo argentino de honrar em Buenos Aires o pagamento de seus bônus para se esquivar de um bloqueio judicial nos Estados Unidos não implica em desrespeitar o contrato referente aos títulos, disse nesta quarta-feira o ministro da Economia, Axel Kicillof.

Kicillof explicou em uma entrevista à imprensa que as condições da emissão dos títulos permitem ao país trocar o agente dos pagamentos se este não cumprir com seu papel.

O projeto de lei que a presidente Cristina Kirchner enviou ao Congresso estabelece que o estatal Banco Nación substituirá o Bank of New York Mellon (BONY) como agente de pagamento dos títulos sob lei estrangeira.

O BONY se recusou a processar o pagamento de um bônus que venceu no fim de junho para cumprir ordem judicial que impede o país de pagar seus compromissos financeiros no exterior sem antes compensar os hedge funds que ganharam disputa judicial relacionada a seu default em 2002.

Reportagem de Alejandro Lifschitz e Nicolás Misculin

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below