3 de Novembro de 2014 / às 19:18 / em 3 anos

Dólar sobe a R$2,50, em meio a expectativas com política econômica

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta de quase 1 por cento, a 2,50 reais, ao fim de um pregão volátil nesta segunda-feira, em linha com o exterior e sensível a fluxos pontuais devido à incerteza sobre como será a política econômica no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff.

A moeda norte-americana subiu 0,88 por cento, a 2,5005 reais na venda, após chegar a 2,5095 reais na máxima (+1,24 por cento) e 2,4548 reais na mínima (-0,96 por cento). Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 700 milhões de dólares.

Na sessão passada, a divisa subiu quase 3 por cento e fechou outubro com alta de mais de 1 por cento.

“O mercado está sensível, preocupado. Não sabe para onde correr”, afirmou o operador de câmbio da corretora TOV Reginaldo Siaca.

Nas últimas sessões, a moeda norte-americana tem exibido forte volatilidade, variando bastante tanto para cima quanto para baixo. Segundo analistas, o que deve definir o movimento do câmbio no médio prazo são os sinais dados pelo governo sobre como pretende conduzir a política econômica.

A surpreendente alta da Selic em 0,25 ponto percentual, a 11,25 por cento, na semana passada agradou os mercados, mas investidores ainda querem ver sinais de que a política fiscal deve se tornar menos expansionista e mais transparente.

Também querem saber como será a equipe econômica, sobretudo o próximo ministro da Fazenda, já que Guido Mantega deixará o cargo.

No longo prazo, contudo, a perspectiva é de alta do dólar, principalmente devido às expectativas de aperto monetário nos Estados Unidos, que pode atrair para a maior economia do mundo recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro.

Essa expectativa levou o dólar a se fortalecer contra as diversas moedas nesta segunda-feira, afetando os negócios no Brasil. A moeda norte-americana também subiu contra o euro, o iene e outras moedas emergentes, como o peso chileno e o peso mexicano.

“Hoje não tivemos muitos ‘drivers’, então o dólar ficou oscilando de um lado para o outro e acabou se assentando para cima, acompanhando lá fora”, disse o diretor de câmbio do Banco Paulista, Tarcísio Rodrigues.

Apesar da volatilidade recente, o Banco Central brasileiro ainda não anunciou o início da rolagem dos contratos de swap cambial, que equivalem a venda futura de dólares, que vencem em dezembro e correspondem a 9,831 bilhões de dólares.

Nesta manhã, a autoridade monetária vendeu a oferta total de até 4 mil swaps cambiais pelas atuações diárias. Foram vendidos 1 mil contratos para 1º de junho e 3 mil para 1º de setembro de 2015, com volume correspondente a 197,5 milhões de dólares.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below