10 de Dezembro de 2014 / às 14:42 / 3 anos atrás

Estrangeiras ofertam à Venezuela novas fontes de óleo importado

HOUSTON (Reuters) - Grandes produtores de petróleo estrangeiros na Venezuela estão buscando vender para a estatal venezuelana PDVSA petróleo leve de países como Nigéria e até mesmo Estados Unidos, com o objetivo de controlar melhor a qualidade e o custo das misturas nacionais e impulsionar a produção do cinturão do Orinoco, disseram fontes.

No início deste ano, a PDVSA suspendeu as importações de nafta cara, um tipo de combustível leve que vinha sendo usado nos últimos anos para diluir o petróleo pesado de Orinoco.

Em vez disso, ela começou a comprar petróleo Saharan Blend produzido na Argélia, um aliado da Venezuela na Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), para fazer misturas que com melhores preços.

Mas as fontes disseram que outras variedades poderiam ser mais acessíveis, especialmente petróleo dos Estados Unidos, que resultaria em menores custos de envio, ou os da África Ocidental, que estão sendo vendidos com grandes descontos.

Todas as fontes não quiseram ser identificadas, porque não estão autorizadas a falar publicamente sobre o assunto.

"Estamos oferecendo três tipos diferentes de óleo cru: Eagle Ford, West Africans e Caspian", disse um executivo de uma das joint ventures da PDVSA com empresas estrangeiras à Reuters.

Petróleo dos EUA poderia ser exportado para a Venezuela por meio de licenças de swap que estão sendo solicitadas a partir de Washington, acrescentou.

Até agora, no entanto, as autoridades norte-americanas não concederam publicamente quaisquer pedidos para trocar petróleo nacional por importações estrangeiras, uma das várias brechas da proibição de décadas sobre as exportações de petróleo dos EUA.

Uma fonte de outro projeto no Orinoco disse que o petróleo leve Basrah iraquiano e petróleos nigerianos também estão sendo oferecidos como opções de diluente.

De uma perspectiva, as ofertas são uma resposta lógica para as recentes mudanças no mercado global, com a Venezuela emergindo como importador pela primeira vez em um momento de um excesso de crescimento global causado pelo aumento da produção dos Estados Unidos e crescimento fraco da demanda global.

Mas, para os parceiros de joint venture na Venezuela, as ofertas têm mais a ver com ajudar o crescimento de sua produção doméstica do cinturão do Orinoco, o que requer uma fonte estável e de baixo custo de diluente para a expansão.

A empresa estatal de petróleo não respondeu aos pedidos de comentário.

PDVSA importou até 4 milhões de barris de petróleo argelino em novembro para diluir a produção da joint venture com a norueguesa Statoil e francesa Total. Ela também comprou cerca de 2,7 milhões de barris de petróleo Urais da Rússia para sua refinaria na ilha caribenha de Curacao.

Embora Venezuela tenha as maiores reservas de petróleo do mundo, sua própria produção de petróleos leves e médios, que antes eram utilizados como diluentes, tem declinado.

Por Marianna Parraga

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below