27 de Janeiro de 2015 / às 20:14 / 3 anos atrás

Dilma defende punir corruptos sem destruir empresas privadas e Petrobras

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff defendeu nesta terça-feira a apuração e a punição com rigor de pessoas envolvidas em corrupção no caso que envolve a Petrobras, mas sem prejudicar a estatal, empresas privadas, a economia e a geração de empregos.

B27/01/2015. REUTERS/Ueslei Marcelino

A petroleira está no centro de um esquema bilionário de corrupção investigado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, com sobrepreço em contratos de obras e pagamento de propina a ex-funcionários da estatal, executivos de empreiteiras e políticos.

“Nós devemos punir as pessoas, não devemos destruir as empresas... As empresas são essenciais para o Brasil”, disse a presidente na abertura da primeira reunião ministerial de seu segundo mandato, em Brasília.

Foi a primeira vez que a presidente saiu publicamente em defesa das empresas privadas. Até então, Dilma vinha se referindo apenas à Petrobras como estratégica ao país quando falava sobre o escândalo envolvendo a estatal.

“Ser capaz de punir a corrupção não pode significar a destruição de empresas privadas também”, enfatizou a presidente.

Entre as 39 pessoas que já se tornaram réus como resultado da Lava Jato, 23 têm ligação com seis das principais empreiteiras do país: Camargo Corrêa, OAS, Galvão Engenharia, Engevix e UTC Engenharia.

Essas construtoras estão envolvidas, como sócias ou prestadoras de serviços, em praticamente todas as grandes obras de infraestrutura em andamento no Brasil, incluindo rodovias, aeroportos e hidrelétricas.

Fontes do governo federal disseram à Reuters em 19 de janeiro que o temor principal no caso das empreiteiras refere-se à limitação do acesso dessas empresas a crédito.

As principais agências de classificação de risco têm piorado as notas de crédito de companhias citadas na Lava Jato, o que na prática significa que veem um risco financeiro maior. Algumas das companhias estão avaliando a venda de ativos.

Em seu discurso, Dilma disse ainda que a punição dos acusados de corrupção precisa ser feita sem prejudicar a economia do país. “Não podemos de maneira alguma fechar as portas para o crescimento, o progresso e o emprego.”

Dilma afirmou que em fevereiro o governo enviará ao Congresso um pacote de medidas para endurecer o combate à corrupção, uma promessa feita durante a campanha no ano passado.

DEFESA DO GOVERNO

Durante discurso na abertura da reunião com seus 39 ministros, a presidente pediu que eles façam a defesa do governo e reajam contra boatos.

“Nós não podemos permitir que a falsa versão se crie e se alastre”, disse ela. “Reajam aos boatos, travem a batalha da comunicação”, prosseguiu.

Dilma declarou ainda que o governo está tomando todas as ações cabíveis para garantir o suprimento de energia no país, em meio ao baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas.

Em relação à crise de água que afeta principalmente a região Sudeste, onde está a maior parte da indústria nacional, a presidente disse que o governo apoiou e continuará apoiando os “vultosos investimentos” de Estados.

Por Jeferson Ribeiro e Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below