13 de Fevereiro de 2015 / às 21:44 / em 3 anos

Fitch acredita em ajuda do governo à Petrobras na "adversidade"

(Reuters) - A agência de classificação de risco Fitch avaliou nesta sexta-feira que o governo brasileiro irá oferecer apoio direto e indireto à Petrobras durante “tempos de adversidade”, devido à importância da estatal para o governo.

A Fitch espera que a estatal possa acessar recursos do BNDES, como já fez no passado, caso precise de uma injeção de liquidez para ajudar a cobrir um potencial déficit no fluxo de caixa no curto prazo.

A Petrobras está no centro de um escândalo bilionário de desvio de recursos investigado pela Operação Lava Jato, da Polícia Federal.

“O governo brasileiro tem buscado objetivos macroeconômicos e sociais através de controles de preços da gasolina e do diesel, e dirigiu Petrobras para auxiliar na criação de emprego local, através da implementação de requisitos de conteúdo local potencialmente não rentáveis ”, disse o diretor sênior da Fitch Lucas Aristizabal.

A agência disse, em relatório sobre as 10 companhias mais negociadas em bolsa na América Latina, que não espera que a Petrobras irá acessar o mercado internacional de dívida em 2015.

“A companhia já anunciou medidas para preservar a liquidez”, lembrou a Fitch.

A agência estima que a Petrobras necessite de pelo menos 15 bilhões de dólares em recursos para preservar a liquidez, cobrir os 11 bilhões de dólares em dívida que vencem em 2015 e para qualquer déficit no fluxo de caixa livre que a companhia venha a registrar como resultado de seu agressivo e rígido programa de investimentos.

Todas as adversidades poderiam ser cobertas com os 29 bilhões de dólares que a empresa tinha em caixa, de acordo com dados relativos a 30 de setembro de 2014.

No início de fevereiro, a Fitch rebaixou os ratings da dívida da Petrobras em moeda estrangeira e local para “BBB-” ante “BBB”, e simultaneamente colocou a petroleira em observação negativa, o que significa que um eventual novo downgrade pode ocorrer em um prazo de três a seis meses.

Se houver um novo corte na nota, a Petrobras passa para grau especulativo, já que a sua atual classificação é a mais baixa dentro do grau de investimento.

Por Gustavo Bonato, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below