20 de Fevereiro de 2015 / às 23:09 / em 3 anos

Grécia e zona do euro acertam extensão por quatro meses de resgate

O ministro das Finanças da Grécia, Yanis Varoufakis, chega para conversar com a imprensa após uma reunião extraordinária de ministros das Finanças da zona do euro, em Bruxelas, na Bélgica, nesta sexta-feira. 20/02/2015Eric Vidal

BRUXELAS (Reuters) - Os ministros das Finanças da zona do euro acertaram em princípio nesta sexta-feira estender o resgate financeiro da Grécia por quatro meses, removendo o risco potencial de o país ficar sem recursos em março, o que poderia levar Atenas a ser forçada a abandonar a moeda comum.

O acordo, que será ratificado uma vez que os credores da Grécia estejam satisfeitos com a lista de reformas que o país terá que apresentar na semana que vem, encerra um período de incertezas desde a eleição de um governo de esquerda em Atenas, que se comprometeu a reverter as medidas de austeridade.

"Hoje foi um primeiro passo neste processo de reconstruir a confiança", disse o presidente do Eurogrupo que reúne 19 países, Jeroen Dijsselbloem, em entrevista coletiva.

O acordo, alcançado depois da terceira reunião ministerial em duas semanas e declarações públicas amargas, garante uma margem de manobra para o novo governo grego tentar negociar a redução da dívida de longo prazo com os seus credores oficiais.

Mas também força o jovem e radical primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, a recuar na sua promessa de descartar o resgate, acabar com a cooperação com a "troika" de credores internacionais e reverter as medidas de austeridade.

A Alemanha, maior credor da Grécia, havia exigido "melhoras significativas" nos comprometimentos com reformas do novo governo esquerdista de Atenas antes de aceitar a extensão do financiamento da zona do euro.

Os dois principais opositores nas negociações classificaram o resultado de maneira totalmente diferente.

"Estar no governo é um encontro com a realidade, e a realidade muitas vezes não é tão boa quanto um sonho", disse o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, a jornalistas, ressaltando que Atenas não receberá novos desembolsos até o seu programa de resgate ter sido devidamente concluído.

"Os gregos certamente terão dificuldade em explicar o acordo aos seus eleitores", disse o veterano conservador.

O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, disse que as negociações mostraram que eleições podem trazer mudanças para a Europa. Ele insistiu que conseguiu evitar "medidas recessivas" e disse que o governo ainda espera aumentar o salário mínimo e recontratar alguns trabalhadores do setor público.

"Ninguém vai nos pedir para impor à nossa economia e à sociedade medidas que não concordamos", disse Varoufakis.

O euro se recuperou ante o dólar e os mercados acionários globais subiram para níveis recordes de fechamento, enquanto os rendimentos dos títulos do governo grego caíram com o otimismo em relação ao acordo da dívida.

LISTA DE REFORMAS

O acordo exige que a Grécia apresente até segunda-feira uma carta ao Eurogrupo listando todas as medidas de política que pretende tomar durante o período restante do programa de resgate.

Se a Comissão Europeia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional ficarem satisfeitos, os países membros da zona do euro irão ratificar a prorrogação.

Os ministros das Finanças da zona do euro podem assinar o acordo na terça-feira por meio de uma teleconferência. No entanto, se houver dúvidas, eles devem voltar a se reunir em Bruxelas, disseram as autoridades.

Com o programa de resgate de 240 bilhões de euros da UE e do FMI em vias de vencer em pouco mais de uma semana, Tsipras tinha solicitado uma extensão de seis meses, mas a Alemanha e seus aliados se opuseram à formulação incial do pedido.

Os parceiros da Grécia insistiram num período mais curto e condicionaram futuros desembolsos a uma avaliação final satisfatória. Eles também obrigaram Atenas a se comprometer a financiar totalmente quaisquer novas medidas de gastos e obter a aprovação de seus credores.

O BCE disse que não haveria necessidade de a Grécia impor controles de capital que restringem saques em dinheiro depois do acordo.

Os ministros das Finanças de outros países da zona do euro insistiram em garantias adicionais de que a Grécia irá cumprir as rígidas condições impostas dentro do programa de resgate de disciplina orçamentária e reformas econômicas.

Tsipras teve uma longa conversa por telefone com a chanceler alemã, Angela Merkel, na quinta-feira e fez contato frequente com líderes franceses e italianos em busca de uma solução que permitiria ao seu governo radical manter a cabeça erguida.

Reportagem adicional de George Georgiopoulos, Angeliki Koutantou e Deepa Babington, em Atenas; de Noah Barkin, em Berlim; e de John O'Donnell e Paul Carrel, em Frankfurt

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below