25 de Fevereiro de 2015 / às 01:37 / em 3 anos

Moody's corta ratings da Petrobras para grau especulativo

(Reuters) - A agência de classificação de risco Moody’s rebaixou os ratings da Petrobras para grau especulativo por conta das investigações sobre corrupção e pressões de liquidez que podem resultar do atraso da divulgação das demonstrações financeiras auditadas, colocando ainda mais peso sobre a estatal que vive sua maior crise.

Logo da Petrobras refletido na janela do prédio da estatal em São Paulo. 06/02/2015 REUTERS/Paulo Whitaker

O rating da dívida em moeda estrangeira da Petrobras foi rebaixado em dois degraus, passando de Baa3, que é a última nota da escala da Moody’s considerada grau de investimento, para Ba2. Além disso, a Moody’s manteve a classificação da estatal em revisão para novo rebaixamento. Foi o segundo rebaixamento da Petrobras pela Moody’s neste ano.

A petroleira estatal está no centro de um escândalo bilionário de corrupção, revelado na Operação Lava Jato, da Polícia Federal, e considerado o maior da história do Brasil, envolvendo ex-funcionários, executivos de empreiteiras e políticos.

A perda do grau de investimento deve afastar ainda mais investidores de ativos da petroleira, apesar da estatal ainda manter o grau de investimento pelas agências Fitch e Standard and Poor‘s.

Em nota, a Petrobras disse que não tem a obrigação de quitar antecipadamente sua dívida por conta do rebaixamento ou perda do grau de investimento, que é uma das possibilidades caso a empresa atrase ainda mais a divulgação de seu resultado auditado do quarto trimestre.

”A Petrobras não possui covenants (obrigação de fazer) relacionados ao rebaixamento de rating por parte das agências classificadoras de risco ou relacionados à rating abaixo da classificação grau de investimento”, disse a estatal em nota.

Além da pressão de liquidez no curto prazo, a Moody’s disse que o rebaixamento reflete a sua visão de que a empresa pode levar mais tempo do que o esperado anteriormente para reduzir a sua alavancagem, condição necessária para a melhora substancial do perfil financeiro da estatal.

A agência também afirmou que não percebeu “progresso substantivo” que poderia reduzir significativamente as preocupações com a possibilidade de a Petrobras ter que pagar antecipadamente sua dívida.

A Moody’s “ainda não vê nenhuma garantia concreta de que as demonstrações auditadas estarão disponíveis em qualquer data específica”.

A Petrobras disse no início deste mês que planeja divulgar o resultado do quarto trimestre auditado até o fim maio.

Por Raquel Stenzel

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below