17 de Abril de 2015 / às 16:28 / 2 anos atrás

Investimento da TAM direcionado ao Brasil com hub no NE seria de até US$1,5 bi

SÃO PAULO (Reuters) - A companhia aérea TAM, do grupo LATAM Airlines, prevê que os investimentos do grupo direcionados ao Brasil caso decida desenvolver um novo centro de conexões de voos no Nordeste será de 1 bilhão a 1,5 bilhão de dólares.

A Latam Arlines informou na manhã desta sexta-feira que o projeto está em estudo de viabilidade e que não serão aportados recursos adicionais aos já previstos na estratégia do grupo, bem como não haverá novas encomendas de aeronaves.

Mas o Brasil receberá mais investimentos que o previsto anteriormente. O valor de até 1,5 bilhão de dólares se soma aos 13 bilhões de reais em investimentos em três anos já programados no país, segundo a presidente da TAM SA, Claudia Sender.

“Temos um plano de dois anos de desenvolvimento do ‘hub’, mas ele deve continuar crescendo”, disse Sender a jornalistas. Atualmente a TAM tem três principais hubs no Brasil, com o maior doméstico sendo no aeroporto de Brasília.

O objetivo da TAM é realocar capacidade do grupo para o Brasil, ampliando a atuação em voos entre a América do Sul e Europa e atraindo um maior fluxo de estrangeiros, ao mesmo tempo em que torna o Nordeste um polo turístico mais relevante.

O plano é terminar os estudos até o fim deste ano, com a definição da cidade onde o polo vai operar, e iniciar a operação até dezembro de 2016.

Fortaleza (CE), Natal (RN) e Recife (PE) estão sendo consideradas como candidatas, e a TAM iniciará conversas com governadores, prefeituras e concessionárias dos aeroportos para avaliar a existência de infraestrutura adequada, a competitividade em custos e o potencial de geração de demanda.

O Ceará e o Rio Grande do Norte já contam com ICMS reduzido sobre o querosene de aviação. Para Recife, Sender disse que a companhia pretende negociar até que nível o imposto sobre o combustível pode chegar.

Um dos fatores que poderia inviabilizar o projeto, contudo, é a aprovação nos termos atuais da proposta de lei que estabelece regras sobre a jornada de trabalho dos aeronautas. A lei implicaria um aumento de custo anual de 1 bilhão de reais para a TAM se aprovada nos termos atuais, disse a executiva.

JATOS REGIONAIS POSTERGADOS

Sobre as encomendas de jatos regionais de nova geração com entrega a partir de 2018, cujas negociações a TAM anunciou no fim do ano passado, Sender disse que ainda não houve uma decisão.

“O novo cenário de câmbio e combustível muda um pouco nossos estudos. A situação macroeconômica deu uma invertida”, disse.

A companhia informou que faria 18 encomendas firmes e 12 opções de aviões com capacidade para entre 75 e 110 assentos, que estariam sendo negociados com Embraer e outras fabricantes. A expectativa inicial da empresa era de que ocorresse uma tomada de decisão até março deste ano, o que não aconteceu.

Sender disse que a TAM pretende manter sua capacidade no mercado doméstico estável neste ano, sendo ainda “cedo” para falar em cortes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below