15 de Dezembro de 2015 / às 14:01 / 2 anos atrás

Oi diz que há outros interessados em seu processo de consolidação

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O grupo de telecomunicações Oi afirmou nesta terça-feira que há outros interessados, além da russa LetterOne, em seu processo de consolidação no Brasil e que vai manter o mandato do banco BTG Pactual para conduzir as negociações.

“Há outros investidores interessados. O concreto é o contrato com o LetterOne”, disse o diretor de relações com investidores da Oi, Marcelo Ferreira, durante reunião com analistas e investidores. “Pode ser que outros atores entrem, mas tem que ter consentimento da Oi e LetterOne”, disse ele sem dar detalhes sobre os outros possíveis interessados.

Segundo Ferreira, a consolidação do setor é um caminho para reequilibrar o setor, que exige altos investimentos, principalmente na área de dados, e a competição forte que pressiona margens e retornos.

“O mercado brasileiro caminha para isso (consolidação)”, acrescentou, disse Ferreira.

No final de outubro, a Oi e o fundo russo LetterOne acertaram negociações por sete meses para injeção de 4 bilhões de dólares na empresa se ela conseguir viabilizar uma eventual fusão com a TIM Participações. A TIM é a segunda maior operadora de telefonia móvel do Brasil, mas tem pequena presença na telefonia fixa, que é o maior ativo da Oi.

O executivo disse que o BTG Pactual permanece guiando os esforços de consolidação da Oi mesmo depois da prisão de André Esteves, ex-presidente do grupo financeiro. Segundo Ferreira, a prisão de Esteves acusado de interferir nas investigações da Lava Jato, não tem impacto relevante no processo.

“O BTG não é o financiador do processo. O papel dele é buscar alternativas, fundos, players e continua hoje com este papel”, disse Ferreira.

O acordo com o LetterOne busca estruturar alguma operação para consolidação, afirmou Ferreira. “A consolidação é importante para reequilibrar o setor. Não temos preconceito em relação a qualquer tipo de transação”, disse.

O BTG é um dos acionistas da Oi por meio do Caravelas Fundo de Investimentos em Ações, que detém uma fatia de cerca de 7 por cento no grupo de telecomunicações, de acordo com Ferreira.

CRISE ECONÔMICA

Durante a apresentação aos analistas e investidores, o executivo afirmou que a Oi tem tomado medidas de contenção de custos desde o início do ano, além de melhorias no processo de vendas, simplificação de oferta e aperto no processo de crédito.

Segundo ele, estes fatores têm contribuído para que a Oi alcance metas de Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) para 2015 anunciadas no início do ano. A Oi estimou Ebitda “de rotina” no Brasil de entre 7 bilhões e 7,4 bilhões de reais em 2015.

A Oi encerrou o terceiro trimestre com cerca de 16 bilhões de reais em caixa, além de cerca de 4 bilhões de reais em financiamentos de curto prazo, que garantem o cumprimento dos compromissos de longo prazo da empresa e das iniciativas colocadas em prática em 2015, disse Ferreira.

Segundo o diretor, a redução do endividamento da Oi, de 37 bilhões de reais ao final do terceiro trimestre, ocorrerá no médio prazo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below