1 de Novembro de 2016 / às 19:12 / em um ano

Dólar salta mais de 1,5% e encosta em R$3,25, de olho em Fed e eleição dos EUA

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar saltou mais de 1,5 por cento e encostou no patamar de 3,25 reais nesta terça-feira, pressionado pelos temores com a eleição norte-americana e antes do encontro de política monetária do Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos.

O dólar avançou 1,61 por cento, a 3,2412 reais na venda, depois de bater 3,2552 reais na máxima do dia. Com o resultado deste pregão, a baixa de 1,90 por cento da moeda norte-americana acumulada em outubro foi praticamente anulada.

O dólar futuro operava com alta de cerca de 1,7 por cento no final desta tarde.

“O mercado piorou quando saiu notícia dizendo que o (candidato republicano Donald) Trump passou à frente de Hillary (Clinton, democrata) nas pesquisas de intenção de voto”, comentou o analista de câmbio da corretora Gradual Investimentos, Marcos Jamelli.

Desde que o FBI anunciou que vai investigar emails pessoais de Hillary enquanto era secretária de Estado, a candidata democrata à Presidência dos EUA vem perdendo força na corrida eleitoral. A eleição está marcada para o próximo dia 8.

Pesquisa da ABC/Washington Post mostrou o republicano 1 ponto percentual à frente da democrata. Em outro levantamento feito na véspera, da Reuters/Ipsos, Hillary havia diminuído a diferença para Trump, mas ainda liderava a disputa com 5 por cento de diferença.

O peso mexicano, um dos mais sensíveis nessa pesquisa por conta da postura radical de Trump com relação aos imigrantes, passou o dia com forte queda ante o dólar.

“Amanhã tem Fed e estaremos de folga. E agora surge esse aperto nas pesquisas de intenção de voto nos EUA”, emendou um profissional da mesa de câmbio de uma corretora, referindo-se ao feriado do Dia de Finados e que manterá os mercados brasileiros fechados.

Na quarta-feira, o Fed não deve mudar a taxa de juros, mas se prepara para um cenário de alta em dezembro em meio a sinais de que a economia está acelerando.

O Fed tem elevado cada vez mais a confiança sobre alta dos juros e sua chair, Janet Yellen, disse em setembro que uma mudança antes do final do ano era provável se o emprego e a inflação continuassem a se fortalecer.

As chances de novo aperto monetário em dezembro estavam em 78 por cento, segundo o FedWatch do grupo CME. Atualmente, a taxa de juros dos EUA está entre 0,25 e 0,50 por cento.

Eventual aumento nos juros na maior economia do mundo tende a atrair recursos aplicados em outros mercados, como o brasileiro, o que poderia pressionar o câmbio local.

“Acho que o Fed não vai trazer novidade em termos de juros, mas a reunião traz cautela”, comentou pela manhã o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

Operadores também ressaltaram o fato de que, na noite passada, terminou o prazo para regularização de ativos brasileiros no exterior, o que vinha contribuindo para puxar o dólar para baixo nos últimos pregões.

O governo conseguiu arrecadar 50,9 bilhões de reais com multas e impostos, o equivalente à regularização de 169,9 bilhões de reais em ativos.

O BC vendeu nesta manhã o lote integral de 5 mil contratos em swap cambial reverso, equivalente à compra futura de moeda.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below