1 de Novembro de 2016 / às 21:17 / um ano atrás

Governo federal vai receber R$38,5 bi da regularização de recursos, diz Meirelles

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta terça-feira que cerca de 38,5 bilhões de reais arrecadados com a regularização de ativos no exterior vão para os cofres do governo federal.

“Dos 38,5 bilhões de reais, existe uma série de coisas que justificam o uso, uma parte já estava prevista para atingir a meta do primário de 2016”, afirmou Meirelles para jornalistas, após participar de evento em São Paulo.

“Mais da metade é destinado a contas a pagar que foram deixadas pelo governo anterior”, acrescentou.

O restante dos recursos, afirmou o ministro, será dividido com Estados e municípios.

O governo arrecadou 50,9 bilhões de reais em multas e impostos com o programa de regularização de ativos brasileiros no exterior, valor que ajudará no resultado fiscal neste ano.

Sobre uma segunda rodada de regularização de ativos, que voltou à discussão no Congresso nesta tarde, Meirelles admitiu a possibilidade, mas disse que os parlamentares são soberanos para discutir a medida.

“Existiram países que fizeram mais de uma rodada. É absolutamente possível que o Congresso decida, e o Congresso é soberano para isso. Do ponto de vista do Ministério da Fazenda, quanto mais recurso entrar, melhor”, disse.

Na abertura da ordem do dia no Senado, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que irá apresentar na próxima terça-feira um projeto para estabelecer uma segunda etapa do programa de repatriação. A ideia ganhou o apoio do presidente Michel Temer.

“Se for possível que se faça logo, se faça esse ano”, afirmou Temer em conversa com jornalistas antes do jantar oferecido ao primeiro-ministro de Portugal, António Costa.

As declarações de Temer, Renan e Meirelles acabaram soterrando a posição do secretário da Receita, Jorge Rachid, que, mais cedo, ao divulgar os números da repatriação, havia dito que a avaliação era de que não era necessário fazer outro programa de regularização de ativos. Para Rachid, o que foi feito, “cumpriu seu papel”.

TOTAL REGULARIZADO

Segundo Rachid, no total foram regularizados 169,9 bilhões de reais em recursos no exterior.

“É difícil para nós avaliarmos se a adesão (à regularização) foi alta ou baixa... A adesão era voluntária”, afirmou o secretário a jornalistas em Brasília.

Com pagamentos de impostos, informou a Receita, foram levantados 25,49 bilhões de reais e, com multas, praticamente o mesmo montante. O prazo para adesão ao programa se encerrou na noite passada.

Na semana passada, a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, afirmou que o governo utilizaria os recursos obtidos com a regularização para reduzir o volume de restos a pagar, fazer frente a riscos fiscais e melhorar o resultado primário do setor público.

A meta deste ano do setor público consolidado (governo central, Estados, municípios e estatais) é de déficit primário de 163,9 bilhões de reais, ou 2,6 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Em meio à forte recessão e gastos com a Previdência, o Brasil registrou o pior déficit primário para setembro, com rombo de 26,643 bilhões de reais, último dado disponível. No acumulado de 12 meses, o déficit primário do setor público consolidado estava em 188,327 bilhões de reais até setembro.

Reportagem de Silvio Cascione, em Brasília, e Natalia Scalzaretto, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below