18 de Novembro de 2016 / às 19:12 / em 10 meses

Com ação do BC, dólar cai quase 1% e volta abaixo de R$3,40

Notas de dólar são vistas em Kiev, Ucrânia 31/10/2016 REUTERS/Valentyn Ogirenko/Illustration

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar caiu quase 1 por cento e voltou abaixo de 3,40 reais nesta sexta-feira graças à forte atuação do Banco Central no mercado de câmbio, que aliviou a pressão de alta vinda do mercado externo diante da percepção dos investidores de aumento iminente dos juros nos Estados Unidos.

O dólar recuou 0,93 por cento, a 3,3870 reais na venda. Na semana, a moeda norte-americana acumulou queda de 0,16 por cento, após três altas semanais consecutivas. O dólar futuro perdia cerca de 0,95 por cento no final desta tarde.

Na máxima do dia, o dólar chegou a 3,4383 reais e, na mínima, a 3,3727 reais.

“As seguidas intervenções do BC fizeram com que o real performasse melhor que seus pares”, comentou o operador da corretora Renascença, Luís Laudísio.

O BC vendeu nesta manhã todos os 10 mil novos contratos de swap cambial tradicional, equivalente à venda futura de dólares, e todos os 20 mil contratos para rolagem dos swaps que vencem em 1º de dezembro.

“O viés da moeda (norte-americana) é de alta, pressionada pelo exterior... com a perspectiva de aumento de juros após a fala de Yellen”, avaliou o superintendente da Correparti Corretora, Ricardo Gomes da Silva.

Na véspera, a chair do Federal Reserve, Janet Yellen, disse que a eleição de Donald Trump como presidente dos Estados Unidos não alterou em nada os planos do banco central norte-americano de aumentar a taxa de juros “relativamente em breve”.

Com isso, cresceram as apostas de que o Fed elevará os juros em dezembro. E, com temores de que a política econômica de Trump possa ser inflacionária, cresceram expectativas de que o Fed pode acelerar o passo de sua política monetária mais apertada.

No exterior, o dólar atingiu nesta sessão os níveis mais altos desde 2003 ante uma cesta de moeda.

Internamente, questões domésticas começavam a fazer ruído nos mercados, como a situação fiscal dos Estados e as prisões de políticos, como ex-governadores do Rio de Janeiro, justamente um dos Estados com pior situação financeira.

“A pressão sobre os mercados locais tende a voltar... Por enquanto, é difícil esperar um recuo forte da percepção de risco-país”, comentou a corretora Guide em relatório a clientes.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below