2 de Dezembro de 2016 / às 19:42 / em um ano

C&A planeja manter base de lojas no Brasil em 2017, diz executivo

SÃO PAULO (Reuters) - A rede de varejo de vestuário C&A planeja manter sua base de lojas no Brasil em 2017, em meio à expectativa de um cenário menos negativo para o setor, afirmou à Reuters o vice-presidente de operações e marketing da companhia no país, Elio Silva.

“Não tem um plano de fechamento de lojas, mas vamos ficar acompanhando por fora”, disse o executivo.

A C&A, varejista de origem holandesa que está completando 40 anos de presença no país, tem hoje mais de 270 lojas no Brasil, tendo aberto mais de 100 unidades nos últimos 7 anos.

Neste ano, contudo, houve redução ao redor de 5 por cento da área total de lojas, com o fechamento de 12 unidades, sendo boa parte em shopping centers.

“Do mesmo jeito que abre loja, tem que olhar a performance...”, afirmou Silva, citando que esse movimento ocorreu em lojas menores, de mercados novos, em cidades de médio para pequeno porte e em empreendimentos que não estavam maduros.

Entre as grandes redes do setor, Marisa Lojas também deve encerrar 2016 com menos lojas do que o ano passado, enquanto Riachuelo, do grupo Guararapes já sinalizou que vai rever seu plano de expansão. Na outra ponta, a Lojas Renner segue firme com plano de expansão de lojas, a fim de terminar 2021 com 450 unidades.

Apesar da redução na área de lojas, a C&A deve fechar 2016 com resultado positivo nas vendas totais e comparáveis. “No cenário atual, (vamos crescer) um dígito muito bom”, disse o executivo sem precisar valor.

A empresa, de capital fechado, não divulga dados sobre o desempenho.

O ranking 2016 do Instituto Brasileiro de Executivos do Varejo e Mercado do Consumo coloca a rede na quarta posição em termos de faturamento no segmento de moda e esporte, estimando um faturamento de 4,55 bilhões de reais em 2015.

Silva disse que ainda observa um ambiente de consumo retraído, mas que a C&A tem apresentado um bom desempenho. “Não houve aumento de fluxo nas lojas, mas o número de peças vendidas e a quantidade de pessoas efetuando compras aumentou.”

Para o Natal, ele disse que espera um desempenho nas vendas melhor do que no ano passado.

De acordo com Silva, mudanças na estratégia da varejista no país e sinais econômicos de que o cenário será um pouco mais promissor para o varejo devem ajudar também o desempenho da rede no próximo ano.

“Se no ano que vem a economia crescer 1 por cento já vai ajudar”, disse o executivo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below