17 de Janeiro de 2017 / às 11:33 / 10 meses atrás

Corte maior nos juros básicos ajuda atividade econômica, diz BC

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central informou que a opção pela redução mais intensa nos juros básicos ajudaria a atividade econômica, conforme ata do Comitê de Política Monetária (Copom) divulgada nesta terça-feira, em meio ao cenário de desinflação mais disseminada.

Sede do Banco Central, em Brasília. 15/09/2016 REUTERS/Adriano Machado

“Essa decisão contribuiria desde já para o processo de estabilização e posterior retomada da atividade econômica, sem que isso exigisse desvio em relação ao objetivo de levar a inflação para a meta de 4,5 por cento em 2017 e 2018”, trouxe o documento.

Na semana passada, o BC surpreendeu ao cortar a Selic em 0,75 ponto percentual, a 13 por cento ao ano, após duas reduções seguidas de 0,25 ponto cada.

A queda da Selic é vista por economistas como uma das únicas ferramentas à disposição do governo para dar impulso à economia em meio ao persistente quadro de desarranjo fiscal.

Ainda assim, a avaliação é que a política monetária perdeu força e vai levar mais tempo para se refletir integralmente na atividade diante do cenário de forte recessão e baixa confiança tanto das famílias quanto das empresas.

Na ata, o BC também defendeu que o corte de 0,75 ponto era compatível com sua comunicação, “que favorece explicitar condicionalidades econômicas sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia as suas decisões”.

Após a investida mais agressiva do BC, muitos agentes ajustaram suas previsões para contemplar queda da taxa básica de juros a um único dígito ainda neste ano.

No boletim Focus mais recente, feito semanalmente pelo BC com previsões de uma centena de instituições, a expectativa passou a ser de Selic fechando 2017 a 9,75 por cento, contra 10,25 por cento antes.

Na ata do Copom, o BC repetiu que a extensão do ciclo e possíveis revisões no ritmo de flexibilização continuarão dependendo das projeções e expectativas de inflação e da evolução dos fatores de risco.

“Nada na minha visão mudou frente às conclusões que davam para ser tiradas no comunicado (do Copom) da semana passada”, afirmou o economista-chefe do banco J.Safra, Carlos Kawall.

“(O BC) reconhece o progresso da desinflação, que está mais disseminada com economia mais fraca”, acrescentou ele, para quem o BC cortará os juros em 0,75 ponto nas próximas três reuniões do Copom, diminuindo a intensidade para encerrar o ano com a Selic em 9,25 por cento ao ano.

Do lado favorável para a inflação, a ata do Copom destacou que a economia tem operado em ritmo mais fraco do que se esperava há alguns meses e que os passos no processo de encaminhamento de reformas e ajustes fiscais continuam sendo positivos.

Em sua última previsão sobre o Produto Interno Bruto (PIB), feita no fim de dezembro, o BC projetou expansão de 0,8 por cento para 2017. Economistas, por sua vez, esperam crescimento de 0,5 por cento segundo o Focus, enquanto o FMI vê alta de apenas 0,2 por cento.

Após assinalar na semana passada que os efeitos do fim do interregno benigno têm sido limitados no âmbito do ainda incerto cenário externo, o BC reforçou essa mensagem nesta terça.

Se de um lado as perspectivas são de impacto para o custo do financiamento nos países emergentes, disse o BC, países exportadores de commodities --como é o caso do Brasil-- vêm experimentando melhorias em seus termos de trocas.

“Esse contexto reforça a avaliação dos membros do Comitê, de que não há relação mecânica entre o cenário externo e a política monetária”, disse o BC.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below