8 de Fevereiro de 2017 / às 19:36 / em 9 meses

Brasil questiona na OMC 30 programas do Canadá que beneficiaram a Bombardier

BRASÍLIA (Reuters) - O governo brasileiro questionará na Organização Mundial do Comércio mais de 30 programas canadenses de apoio à fabricante de aeronaves Bombardier, principal concorrente da Embraer, em pedido de consultas aberto nesta quarta-feira, informou o subsecretário-geral de Assuntos Econômicos e Financeiros do Itamaraty, embaixador Carlos Márcio Cozendey.

Avião voa sobre uma fábrica da Bombardier em Montreal, Quebec 21/01/ 2014. REUTERS/Christinne Muschi

De acordo com o embaixador, os programas vão desde financiamentos à pesquisa e inovação, isenção de impostos territoriais até aportes diretos de recursos na empresa, somando 4 bilhões de dólares.

“Alguns são proibidos pelas normas da OMC, como os vinculados à exportação. Outros são permitidos, mas não a ponto de causar efeitos adversos a outros competidores”, explicou Cozendey.

Um dos principais pontos questionados pelo governo brasileiro é o aporte de 2,5 bilhões de dólares feito à Bombardier pelo governo da Província de Quebec. Parte desses recursos foram usados para formar uma empresa dedicada exclusivamente ao desenvolvimentos dos jatos C-Series - projeto que estava atrasado e com dificuldades de financiamento

Segundo as informações levantadas pelo governo brasileiro, o governo de Quebec formou uma joint venture com a Bombardier, ficando com 49 por cento das ações da empresa. “O C-Series é mais um jato do governo de Quebec que da Bombardier”, disse o embaixador.

A outra parte foi um aporte de 1,5 bilhão de dólares feito à Bombardier Transportation UK, uma empresa que, segundo o Itamaraty, não precisaria de recursos novos. “As indicações que temos é de que os recursos foram para financiar a empresa como um todo”, afirmou Cozendey.

O ministro de Inovação do Canadá, Navdeep Bains, anunciou na terça-feira um pacote de ajuda a fabricantes de aeronaves, com empréstimos no valor total de 283 milhões de dólares à Bombardier, com juros zero. A nova ajuda à empresa deve ser somada ao pedido de consultas brasileiro como mais um subsídio.

Fontes do governo canadense ainda disseram à Reuters que há espaço para novos empréstimos à empresa, em caso de necessidade.

O governo brasileiro vem observando as ações do governo canadense em favor da Bombardier nos últimos anos. No entanto, sem o C-Series pronto, não havia indícios de prejuízo direto à Embraer.

“A razão porque o caso só surgiu no ano passado é porque a aeronave ficou pronta e a Bombardier começou a ganhar licitações beneficiada por esses preços artificiais”, afirmou o embaixador, citando uma licitação da companhia americana Delta Airlines, em abril do ano passado.

A licitação, de 5,6 bilhões de dólares, foi vencida pela Bombardier, que vendeu 75 aviões CSeries CS100 à Delta Airlines, com uma opção de compra de mais 50. De acordo com Cozendey, a própria Delta confirmou que a disputa foi vencida pela empresa canadense pelo baixo preço ofertado.

“Inclusive no balanço da Bombardier parte dessas vendas foi registrada como perda”, ressalta o embaixador.

De acordo com dados levantados pela Embraer, neste ano serão realizadas outras concorrências da proporções similares à realizada pela Delta em 2016, em que a empresa brasileira pode ser diretamente prejudicada se a Bombardier mantiver os preços artificialmente baixos.

O pedido formal de consultas - primeiro passo para a abertura de um painel no sistema de solução de controvérsias da OMC - foi apresentado nesta quarta-feira e os dois países têm 60 dias para apresentar explicações e tentar um acordo, o que dificilmente ocorre.

Cozendey disse que o Brasil estará disposto a encontrar uma solução antes do painel. Mas ressalta que o Canadá não admite qualificar alguns dos programas como subsídios.

O impasse deve levar a criação de um painel na OMC, que terá nove meses para tomar uma decisão, e o país derrotado ainda terá um prazo para recorrer.

Em julho de 2016, a Reuters adiantou a informação de que o Brasil planejava questionar o Canadá na OMC. Em entrevista, o ministro das Relações Exteriores, José Serra, disse à Reuters que o aporte de capital canadense atingia diretamente as perspectivas da Embraer no mercado internacional.

Em dezembro deste ano, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) autorizou abertura do procedimento contra o Canadá a favor da Embraer

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below