9 de Fevereiro de 2017 / às 22:21 / 9 meses atrás

Lojas Renner tem queda em vendas mesmas lojas no 4º tri; vê recuperação gradual

SÃO PAULO (Reuters) - A Lojas Renner voltou a ter queda nas vendas no conceito mesmas lojas no quarto trimestre, ainda afetada pelo cenário adverso para o varejo, diante da recessão do país.

A queda de 0,8 por cento de outubro a dezembro ante mesmo período de 2015, segundo a empresa, refletiu a atitude cautelosa do consumidor e o ambiente promocional e competitivo, além da demora do aumento da temperatura, com impacto na coleção verão.

O declínio, no entanto, foi mais brando do que no terceiro trimestre, quando o recuo ano a ano tinha sido de 3,9 por cento.

De acordo com o diretor financeiro e de relações com investidores da Lojas Renner, Laurence Gomes, o desempenho do quarto trimestre ficou aquém da expectativa da empresa, mas houve melhora gradativa no período, que se seguiu em janeiro.

“É isso o que estamos esperando para 2017: uma melhora gradual ao longo dos trimestres”, afirmou o executivo à Reuters, acrescentando que a varejista espera recuperar os níveis de vendas históricos pré-2016 a partir do segundo semestre.

Segundo ele, apesar de sinais de recuperação da confiança do consumidor e de empresários, da queda da inflação e dos juros menores, o ano seguirá desafiador, com desemprego ainda elevado.

Apesar do quadro econômico difícil, a Lojas Renner teve alta de 19,2 por cento no lucro líquido no quarto trimestre, a 299,8 milhões de reais, apoiada em controles de despesas e receitas com produtos financeiros. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado total foi de 567,7 milhões de reais, alta de 15,5 por cento.

O rigor nas despesas garantiu estabilidade ou leve alta de margens operacionais, disse Gomes, mesmo com alta anual de apenas 4,5 por cento na receita líquida, a 1,92 bilhão de reais.

A margem bruta das operação de varejo atingiu 55,8 por cento, ante 55,7 por cento um ano antes, enquanto a margem Ebitda ajustada total subiu 2,8 pontos percentuais, para 29,6 por cento nos últimos três meses de 2016.

De acordo com a companhia, se excluídos os efeitos da reoneração da folha de pagamentos e das revisões fiscais, a margem Ebitda teria sido de 30,2 por cento.

O resultado de produtos financeiros totalizou 62,9 milhões de reais, alta de 63,5 por cento na base ano a ano, e representou 11,1 por cento do Ebitda ajustado total, refletindo melhora na receita e menor nível de inadimplência.

“Nós tivemos um bom resultado de produtos financeiros, em função principalmente de uma perda menor, de uma inadimplência menor, que foi resultado de uma concessão de crédito melhor e de um processo de cobrança mais assertivo”, disse Gomes.

O lucro de 2016 somou 625,1 milhões de reais, alta de 8 por cento. A receita líquida subiu 5 por cento, a 5,7 bilhões de reais e as vendas em mesmas lojas caíram 0,2 por cento.

NOVAS LOJAS, INVESTIMENTOS

Para 2017, Laurence prevê inaugurar entre 60 e 65 lojas, incluindo unidades das bandeiras Youcom e Camicado. No ano passado, foram abertas 64 lojas. Em dezembro de 2016, o grupo operava com 300 lojas da Renner, 59 da Youcom e 85 da Camicado.

Os investimentos totais propostos para este ano somam 500 milhões de reais, ligeiramente abaixo dos 512 milhões de 2016.

As ações fecharam em alta de 0,6 por cento na Bovespa nesta quinta-feira. O Ibovespa subiu 0,2 por cento

Por Paula Arend Laier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below