28 de Março de 2017 / às 15:08 / 8 meses atrás

Eletrobras fecha 2016 com primeiro lucro desde 2011 apesar de prejuízo no 4° tri

SÃO PAULO (Reuters) - A estatal federal Eletrobras fechou o ano passado com o primeiro lucro desde 2011, apesar de um prejuízo atribuído aos controladores de 6,26 bilhões de reais no quarto trimestre, influenciado principalmente por provisões e baixas contábeis bilionárias.

A elétrica, que passa por uma reestruturação desde o início do governo do presidente Michel Temer, apresentou lucro líquido de 3,4 bilhões de reais em 2016, ajudada pelo reconhecimento de indenizações que receberá nos próximos anos pela renovação de contratos de concessão no final de 2012, com efeito líquido de 18,88 bilhões de reais no resultado.

Desde 2012, a Eletrobras somava mais de 30 bilhões de reais em perdas, após uma renovação de contratos com tarifas mais baixas em meio a um pacote de medidas do governo Dilma Rousseff para baixar as contas de luz no país.

Apesar do lucro no ano, as ações ordinárias da Eletrobras caíam mais de 3 por cento por volta do meio-dia. Na véspera, o presidente do Conselho de Administração da elétrica, José Luiz Alquéres, anunciou que ele e outros dois membros do colegiado estão de saída, e não continuarão nos cargos após abril.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ficou negativo em 4,78 bilhões de reais no trimestre, ante 8,47 bilhões de reais negativos no último trimestre de 2015. No total de 2016, o Ebitda somou 19,8 bilhões de reais, ante 10,7 bilhões de reais negativos em 2015.

No quarto trimestre de 2016, a receita operacional líquida da Eletrobras somou 12,3 bilhões de reais, alta de 56 por cento ante o mesmo período do ano anterior. No ano, as receitas operacionais totalizaram 60,75 bilhões de reais, com avanço de 86 por cento ante 2015.

A Eletrobras registrou, no entanto, provisões bilionárias no trimestre, com 1,48 bilhão de reais para perdas em investimentos, 1,2 bilhão de reais para contingência, 1 bilhão para contratos onerosos e 742 milhões de reais para cobrir uma possível suspensão de repasses do fundo setorial Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) à companhia.

No ano, ainda impactaram a estatal baixas contábeis referentes à usina nuclear de Angra 3, que somaram 4,2 bilhões de reais, e perdas de 7 bilhões de reais nas distribuidoras de energia do grupo, com destaque para prejuízo de 5 bilhões da Amazonas Energia.

A Eletrobras ainda apontou em 2016 achados de investigações de corrupção que somaram 302 milhões em custos brutos para a companhia, dos quais 158 milhões de reais foram reconhecidos no resultado.

A estatal disse que as perdas provisionadas para investimentos foram decorrentes de ajustes contábeis aplicados sob a ótica do investidor em projetos como o linhão de Belo Monte, no qual a companhia é sócia da State Grid, além de Sinop, Manaus Transmissora e Norte Brasil Transmissora.

Por Luciano Costa, Gabriela Mello e Gustavo Bonato

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below