18 de Abril de 2017 / às 13:00 / 5 meses atrás

Ilan estima que inflação chegará ao nível mais fraco no 3º tri

Presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn 31/03/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, destacou nesta terça-feira a evolução favorável da inflação no Brasil, estimando que ela chegará ao seu nível mais baixo no terceiro trimestre.

Ao participar de evento em São Paulo, Ilan projetou que a alta dos preços retomará força nos últimos meses do ano, porém ainda terminará 2017 abaixo do centro da meta do governo, de 4,5 por cento pelo IPCA.

Em março, o IPCA desacelerou a alta a 0,25 por cento ante o mês anterior, acumulando em 12 meses avanço de 4,57 por cento, nível mais fraco desde agosto de 2010.

Segundo Ilan, a inflação enfrentará alguma volatilidade em abril e maio devido ao impacto dos encargos provenientes da usina Angra III, mas isso não afetará o resultado em 12 meses.

“Essa ida e volta da inflação mexe muito com indicadores mensais, mas não mexe para o ano nem para a política monetária”, disse ele.

Ilan enfatizou o fato de as expectativas de inflação estarem ancoradas neste momento, o que, junto ao elevado grau de ociosidade da economia, traz um cenário para o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC de antecipação do ciclo de afrouxamento monetário.

O BC cortou a Selic em 1 ponto percentual na quarta-feira passada, acelerando o passo. A ata desse encontro divulgada nesta terça-feira mostrou que os membros chegaram a discutir que a conjuntura econômica já permitiria corte maior na taxa básica de juros, mas acabou optando por redução mais modesta em função do cenário de incertezas e riscos.

O presidente do BC voltou a destacar o cenário de incerteza externa dando como exemplo a saída do Reino Unido da União Europeia e as eleições presidenciais na França. Mas afirmou que o Brasil tem se beneficiado de uma recuperação econômica cíclica externa e que a agenda de reformas internas também é favorável.

“A política econômica doméstica mudou de direção, as reformas já mostram resultados positivos”, afirmou, destacando que o risco-Brasil diminuiu.

Porém, ele lembrou que a aprovação e a implementação das reformas, notadamente as de cunho fiscal, também trazem um cenário de incertezas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below