26 de Abril de 2017 / às 13:53 / em 5 meses

Dólar sobe ante real com exterior à espera de reforma trabalhista

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subia 1 por cento nesta quarta-feira, encostando em 3,18 reais, acompanhando o cenário externo e em meio à preocupação dos investidores com o andamento das reformas no Brasil, em especial a da Previdência, após o governo do presidente Michel Temer sofrer uma derrota no Congresso Nacional.

Às 10:50, o dólar tinha alta de 0,98 por cento, a 3,1825 reais, já tendo chegado a 3,1836 reais na máxima do dia. O dólar futuro tinha alta de 1,1 por cento.

“Os prometidos cortes de impostos nos EUA devem impulsionar a economia norte-americana e favoreciam os ganhos do dólar em nível global”, afirmou o sócio da assessoria de investimentos Criteria Investimentos, Vitor Miziara.

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, confirmou nesta manhã que o imposto para as empresas será reduzido para 15 por cento e que o detalhamento das medidas acontecerá nesta quarta-feira.

As medidas podem gerar mais inflação nos Estados Unidos e levar o Federal Reserve, banco central norte-americano, a aumentar as taxas de juros no país além do esperado, alimentando o potencial de atração de recursos hoje aplicados em outras praças, como a brasileira.

Atualmente, o mercado precifica mais duas altas de juros nos Estados Unidos neste ano.

O dólar subia ante uma cesta de moedas e ante divisas de países emergentes, como o rand sul-africano e os pesos mexicano e chileno.

No cenário interno, a alta do dólar vinha também das preocupações dos investidores com a aprovação da reforma da Previdência, considerada essencial para colocar as contas públicas em ordem, sobretudo depois do revés na votação do projeto de socorro fiscal a Estados endividados.

Na noite passada, a Câmara dos Deputados aprovou destaque ao projeto de socorro fiscal para Estados superendividados que retira a exigência de os entes participantes do regime de recuperação aumentarem para 14 por cento a alíquota de contribuição previdenciária dos servidores estaduais, impondo uma derrota ao governo.

“O risco político ganhou incremento com a derrota parcial do governo, o que também reforça a demanda pela divisa norte-americana”, informou a corretora Lerosa Investimentos em relatório.

O Banco Central realiza nesta sessão novo leilão de até 16 mil swaps cambiais tradicionais --equivalentes à venda futura de dólares-- para rolagem dos contratos que vencem em maio.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below