16 de Maio de 2017 / às 16:42 / em 6 meses

De olho em votos para reforma da Previdência, Temer alivia dívida de municípios e ruralistas

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Michel Temer começou nesta terça-feira uma ofensiva para garantir apoio de prefeitos e do setor agropecuário à reforma da Previdência, de olho no plenário da Câmara dos Deputados, uma vez que, admitem auxiliares próximos, o governo ainda não tem os 308 votos necessários para aprovar a proposta.

Presidente Michel Temer, durante reunião no Palácio do Planalto, em Brasília. 12/05/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Temer assinou nesta terça-feira medida provisória autorizando o parcelamento em 200 vezes dos débitos dos municípios e Estados com o INSS, com desconto de 25 por cento nos encargos das dívidas, 25 por cento das multas e 80 por cento dos juros.

De acordo com uma fonte do Tesouro, que pediu anonimato, não há impacto fiscal com a medida porque o governo já não esperava receber pagamento das dívidas das prefeituras. A Reuters pediu à Receita Federal a estimativa de perda de arrecadação, mas não teve resposta.

Em troca do alívio aos prefeitos, Temer garantiu, durante a abertura da 20ª Marcha dos Prefeitos, a declaração de apoio à reforma da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

“Tomamos a decisão de apoiar a reforma da Previdência como confederação”, afirmou o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. O governo espera agora que os prefeitos pressionem ou, ao menos dêem apoio para que os deputados votem pela reforma da Previdência.

    Em discurso, durante a abertura da Marcha, Temer comemorou o resultado da primeira prévia do Produto Interno Bruto deste ano, que cresceu 1,1 por cento no primeiro trimestre deste ano, e o anúncio da criação de quase 60 mil vagas de emprego no mês de abril. “O PIB do último trimestre foi o maior dos últimos anos. Estamos recuperando a economia brasileira”, disse Temer aos prefeitos reunidos em Brasília. 

Temer também deve assinar nos próximos dias outra medida provisória, dessa vez para reduzir a alíquota paga nos parcelamentos por produtores rurais referente ao Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural). Entre outros objetivos, a medida visa garantir a simpatia da bancada ruralista no Congresso à reforma previdenciária.

Na noite de segunda-feira, depois de mais uma reunião entre a equipe econômica e a bancada ruralista, ficou acertado que o novo Funrural terá uma alíquota de 1,5 por cento sobre a receita bruta, em vez dos atuais 2,3 por cento. Já o passivo daqueles que não pagaram o Fundo nos últimos anos será taxado com uma alíquota mais alta, possivelmente de 2,3 por cento. Ainda falta definir prazo e forma de pagamento, o que deve ser feito na quarta-feira.

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Nilson Leitão (PSDB-MT), afirmou que a decisão do governo de abrir um Funrural não condiciona ao apoio da bancada ruralista à reforma da Previdência.

“Uma coisa não está associada à outra”, afirmou. O deputado disse que a questão do fundo tem de ser discutida e que o debate da reforma da Previdência é suprapartidário e de interesse geral do país.

A Frente, segundo informações próprias, tem 222 deputados e 24 senadores entre seus integrantes.

Na véspera, Temer disse que o governo só pretende colocar a proposta em plenário para votar quando tiver entre 320 e 330 votos. Hoje, de acordo com uma fonte palaciana, a conta estaria em torno de 315 votos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below