22 de Junho de 2017 / às 15:54 / em 3 meses

BC vê inflação menor em 2017 e 2018, mas sinaliza de novo que deve cortar menos os juros

BRASÍLIA (Reuters) - O Banco Central reduziu suas previsões sobre inflação neste ano e no próximo, mas reafirmou que a redução moderada do ritmo de corte na Selic deve se mostrar adequada diante do cenário de incerteza que envolve a economia, em meio à intensa crise política que enfrenta o governo do presidente Michel Temer.

Segundo Relatório Trimestral de Inflação divulgado nesta quinta-feira, o BC passou a ver a alta do IPCA em 3,8 por cento em 2017 e em 4,5 por cento em 2018 pelo cenário de mercado, sobre 4 e 4,6 por cento vistos no comunicado da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), de maio.

“Em função do cenário básico e do balanço de riscos avaliados em sua última reunião, o Copom entendeu que uma redução moderada do ritmo de flexibilização monetária em relação ao ritmo adotado naquela ocasião deveria se mostrar adequada em sua próxima reunião, em julho”, escreveu o BC.

A Selic foi reduzida em 1 ponto percentual, a 10,25 por cento ao ano. Naquele momento, o BC usou o termo “deve” para sinalizar reduções menores nos juros.

“No momento atual, a comunicação está dizendo do que o ritmo de corte de juros dependerá”, afirmou o diretor de Política Econômica do BC, Carlos Viana, em coletiva de imprensa. “Dependerá dos mesmos fatores que estavam elencados na ata (do Copom), essa é a atualização da comunicação feita”, acrescentou, sem entrar em maiores detalhes.

No relatório, o BC reafirmou que o ritmo de flexibilização daqui para frente continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, de possíveis reavaliações da estimativa da extensão do ciclo e das projeções e expectativas de inflação.

E acrescentou: “O Copom reitera sua preferência por explicitar condicionalidades sobre a evolução da política monetária, o que melhor transmite a racionalidade econômica que guia suas decisões”.

Para analistas, o BC continuou apontando que deve cortar menos a taxa básica de juros daqui para frente, em meio à crise política, mas a manutenção do ritmo de redução de 1 ponto não estava totalmente descartada.

“A crise provavelmente gera efeitos desinflacionários, mas isso não implica aumentar os estímulos monetários porque aumentaram os riscos em relação ao cenário de 2018”, avaliou o economista-chefe da corretora Votorantim, Roberto Padovani, que prevê redução de 0,75 ponto nos juros em julho, com a Selic fechando o ano em 9 por cento.

O economista-chefe do banco J.Safra, Carlos Kawall, destacou que o BC não fez grande alteração em relação à mensagem que havia divulgado na ata. “Temos uma distância grande, de mais de um mês, para a reunião do Copom (nos dias 25 e 26 de julho)”, afirmou ele, para quem o BC deve reduzir a Selic em 0,75 ponto agora, mas reconhece que podem ocorrer fatos que levem o BC a optar por novo corte de 1 ponto.

No mercado de juros futuros, as apostas majoritárias continuavam em corte de 0,75 ponto na Selic em julho, segundo dados da Reuters.

No relatório, o BC repetiu a mensagem do aumento das incertezas diante da crise política, e reiterou que o resultado líquido desse quadro pode ser tanto desinflacionário, em função do impacto negativo sobre a atividade econômica, quanto inflacionário, com mudanças na formação de preços e sobre as estimativas da taxa de juros estrutural.

“Existe também a possibilidade de os efeitos se compensarem e a trajetória prospectiva da inflação não ser impactada. Não há, portanto, relação direta e mecânica entre o aumento de incerteza e a política monetária”, reforçou.

A inflação vem mostrando sinais favoráveis, com o IPCA somando nos 12 meses até maio alta de 3,60 por cento, bem abaixo do centro da meta de inflação de 4,5 por cento para este ano e o próximo, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.

No documento, o BC também calculou inflação em torno de 4,3 por cento nos 12 meses até o segundo trimestre de 2019.

A equipe econômica quer reduzir a meta de inflação para 2019, decisão que tomará na próxima reunião do Conselho Monetário Nacional (CMN), na semana que vem. A ideia é cortar o centro da meta, estabelecido em 4,5 por cento desde 2005, para algo entre 4 e 4,25 por cento.

O BC também manteve sua perspectiva para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano a 0,5 por cento, justificando que colocou na balança resultados favoráveis de indicadores de atividade recentes que, se mantidos, levariam a uma revisão de alta, mas também ao maior ambiente de incertezas, que pode ter efeito negativo sobre a economia.

Reportagem adicional de Camila Moreira, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below