24 de Junho de 2017 / às 16:52 / 5 meses atrás

Auditoria de Moçambique diz que US$500 mi em empréstimos desapareceram

MAPUTO (Reuters) - O governo de Moçambique não fez muito para explicar como 2 bilhões de dólares em empréstimos foram gastos e quase um quarto deste dinheiro continua sem prestação de contas, mostrou uma auditoria independente da dívida neste sábado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu uma auditoria externa forense da dívida no ano passado após revelações sobre empréstimos anteriores escondidos para três estatais em 2013/14.

A descoberta de créditos não aprovados à companhia de pesca de atum Ematum, à empresa de segurança Proindicus e ao Mozambique Asset Management levou o FMI e outros credores a interromper o apoio a Moçambique, gerando um colapso da moeda local e inadimplência de dívidas, além de afetar o crescimento econômico.

Num resumo de 57 páginas da auditoria, a empresa de gerenciamento de riscos Kroll afirmou que autoridades no país africano deram respostas inconsistentes sobre como 500 milhões de dólares destinados à empresa de pesca de atum foram gastos.

“Lacunas permanecem para explicar como exatamente os 2 bilhões de dólares foram gastos, apesar de esforços consideráveis para fechar essas lacunas”, diz o documento.

“Até que as inconsistências sejam resolvidas, e documentação satisfatória seja providenciada, pelo menos 500 milhões de dólares de gastos de uma natureza potencialmente sensível continuam não auditados e não explicados.”

Explicações sobre como os 500 milhões foram gastos afirmam que o dinheiro foi integrado ao orçamento nacional e usado para comprar equipamento militar, disse a Kroll.

O gabinete do procurador-geral de Moçambique reconheceu os resultados da auditoria e disse que trabalharia com a comunidade internacional para resolver os problemas levantados.

A auditoria mostrou que o Credit Suisse e o VTB Capital, da Rússia -- principais arranjadores do empréstimos -- receberam um total de 199,7 milhões de dólares em comissões.

A Kroll também descobriu que não há evidência de que uma avaliação tenha ocorrido antes da assinatura de três garantias do governo com um valor conjunto de 1 bilhão de dólares. Além disso, possíveis conflitos de interesses foram identificadas.

As estatais também têm falta de infraestrutura básica necessárias para suas operações, apontou a auditoria.

O FMI afirmou que visitará Moçambique de 10 a 19 de julho para discutir preocupações levantadas pela auditoria da dívida.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below