7 de Julho de 2017 / às 20:46 / em 4 meses

Protesto na BR-163 prejudica programação de embarques de grãos pelo Norte do Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - Produtores rurais, pecuaristas, madeireiros e comerciantes voltaram a bloquear nesta sexta-feira a rodovia BR-163 nas proximidades de Novo Progresso (PA), em um protesto que já dura quase uma semana na região e que reduziu em 75 por cento o fluxo de caminhões com grãos para o terminal fluvial de Miritituba, que integra a logística de exportação pelo Norte do Brasil.

As manifestações são contra o veto do presidente Michel Temer à medida provisória 756, que alterava os limites da Floresta Nacional do Jamanxim, disse à Reuters o presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado do Pará (Aprosoja-PA), Vanderlei Ataídes. O setor rural demanda o uso de parte da reserva ambiental para exploração comercial, como previa a MP.

A BR-163 é uma importante ligação entre as áreas produtoras de grãos de Mato Grosso e os terminais fluviais do Arco Norte, mais nova rota de exportação de soja e milho do país, que tem ajudado a reduzir congestionamentos nos portos do Sul/Sudeste diante de safras recordes do país.

“Os embarques já estão ocorrendo a 25 por cento do que poderiam ser... Em mais quatro ou cinco dias, teremos dificuldades para embarcar (por Miritituba, devido à falta do produto)”, afirmou à Reuters o gerente de economia da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), Daniel Furlan Amaral.

Amaral explicou que o terminal passou a receber cerca de 6 mil toneladas de grãos por dia, ante 25 mil toneladas por dia esperadas para este mês.

A partir de Miritituba, barcaças carregadas navegam pelos rios da Amazônia até os portos do Arco Norte, como Barcarena e Santarém, a partir dos quais partem os navios para outros países.

“A programação de julho já está comprometida”, ressaltou Amaral.

Segundo ele, o transporte de milho, cuja safra está em pico de colheita no Mato Grosso, é o mais afetado, mas também há prejuízos para carregamentos de soja.

Caso ocorram cancelamentos de embarques, o prejuízo total na operação de escoamento poderia chegar a 400 mil dólares por dia, calculou.

Conforme Ataídes, da Aprosoja, a BR-163 foi “totalmente bloqueada” nesta sexta-feira. Ele disse ter recebido relatos de 30 quilômetros de filas de caminhões na região de Novo Progresso, no sudoeste do Pará.

A Reuters tentou falar com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Pará para comentar o assunto, mas não foi possível contato telefônico. Contatada, a PRF em Brasília afirmou que apenas os policiais do Pará tinham informações.

Segundo o dirigente da Aprosoja, a situação ficou mais tensa na noite de quinta-feira, após alguns manifestantes atearem fogo em uma carreta que transportava veículos do Ibama. Ataídes, que não presenciou o caso, disse não ter conhecimento sobre quem seria o responsável pelo incêndio.

Oito caminhonetes novas foram destruídas, segundo o Ibama. Os veículos seriam entregues na gerência executiva do instituto em Santarém (PA) para equipar as bases da BR-163.

Equipes da Polícia Federal (PF) e da PRF foram acionadas para apurar quem são os responsáveis pelo incêndio, segundo o Ibama.

Em nota, a presidente do Ibama, Suely Araújo, determinou o bloqueio preventivo de todas as serrarias da região de Novo Progresso no sistema do Documento de Origem Florestal (DOF) após o “atentado”.

Ataídes, da Aprosoja-PA, acrescentou que há relatos de que as manifestações continuarão, digirindo-se para o município de Moraes Almeida (PA).

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below