10 de Julho de 2017 / às 20:08 / em um mês

Dólar cai e volta ao patamar de R$3,25, com BC atuando no mercado

Notas de dólar 7/11/2016 EUTERS/Dado Ruvic/Illustration

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em baixa nesta segunda-feira, engatando a segunda queda consecutiva e voltando ao patamar de 3,25 reais, após o Banco Central retomar suas atuações no mercado de câmbio, sem tirar do foco o cenário político, embora os investidores continuem apostando na continuidade da atual política econômica com foco nas reformas.

O dólar recuou 0,61 por cento, a 3,2595 reais na venda, depois de bater 3,2578 reais na mínima do dia e acumulando perda de 1,18 por cento nos dois pregões. O dólar futuro tinha queda de cerca de 0,70 por cento no final da tarde.

"Ao não retirar liquidez do mercado, o BC auxilia na manutenção das taxas pouco abaixo de 3,30 reais", afirmou a corretora Fair em relatório.

O BC anunciou para esta sessão o início da rolagem do vencimento de agosto de swap cambial tradicional --equivalente à venda futura de dólares. Neste primeiro leilão, vendeu a oferta integral de até 8,3 mil contratos, rolando 415 milhões de dólares do total de 6,181 bilhões de dólares.

Se mantiver esse volume até o final do mês, o BC deverá rolar o vencimento integralmente, a exemplo do que fez nos três últimos meses.

Os investidores também trabalharam atentos ao cenário político doméstico. O foco nesta sessão era a leitura do parecer do relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, Sergio Zveiter (PMDB-RJ), sobre a denúncia contra o presidente Michel Temer por crime de corrupção passiva.

"Embora não tenha o poder de derrubar a mesma, a CCJ tem o poder de impor um viés acerca das expectativas do governo e do mercado para a votação da denúncia", destacou a corretora H.Commcor em relatório.

Notícias têm indicado que cresce a articulação política para que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assuma o comando do país no lugar de Temer.

"E, para o mercado, cresce a percepção de que Maia pode fazer avançar as reformas, que empacaram com a crise", afirmou o gestor de uma corretora local ao citar a calmaria no mercado de câmbio nesta sessão.

De forma geral, o mercado financeiro já precificou o cenário de que, com ou sem Temer, a atual política econômica continuará e com foco nas reformas, sobretudo a da Previdência, considerada essencial para o controle das contas públicas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below