13 de Julho de 2017 / às 21:30 / em um mês

Cias aéreas esperam impacto de R$200 mi por ano com aprovação de lei dos aeronautas

SÃO PAULO (Reuters) - As principais companhias aéreas do país esperam um impacto de 200 milhões de reais por ano caso a lei que regulamenta as atividades dos aeronautas for sancionada como aprovada pelo Senado na véspera, afirmou nesta quinta-feira a entidade que representa o setor, Abear.

A legislação, entre outros pontos, aumentou o número mínimo de folgas mensais dos aeronautas de 8 para 10 e reduziu o limite de jornada de trabalho de 90 horas mensais para 85 horas.

Segundo a Abear - que representa as companhias aéreas Latam, Gol, Azul e Avianca - a nova lei deve forçar algumas empresas a contratar novas tripulações se quiserem manter a oferta de voos em níveis atuais.

"A nova lei dos aeronautas acarretará num impacto anual de cerca de 200 milhões de reais, o que poderá afetar o custo dos bilhetes e comprometer ainda mais a malha aérea e aqueles destinos com custos mais elevados", afirmou a Abear em comunicado à imprensa.

A conta poderá subir, diz a entidade, se a Medida Provisória (MP) 774 for aprovada. A medida vai reonerar a folha de pagamento das companhias aéreas em 464 milhões por ano, afirmou a Abear.

A entidade está defendendo aprovação do Projeto de Resolução do Senado (PRS) 55, que fixa um teto de 12 por cento para a alíquota de ICMS sobre o combustível dos aviões, "o que equilibraria esse cenário de custos adicionais".

Por Alberto Alerigi Jr.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below