28 de Julho de 2017 / às 13:21 / em 4 meses

Desemprego cai no 2º tri no Brasil, mas com aumento do trabalho informal, mostra Pnad Contínua

RIO DE JANEIRO/SÃO PAULO (Reuters) - O mercado de trabalho no Brasil melhorou no segundo trimestre, com a taxa de desemprego recuando a 13 por cento, mas o movimento veio com o reforço do emprego informal, indicação de que a atividade econômica ainda mostra dificuldade para engrenar uma recuperação mais consistente.

Mulheres desempregadas buscando vagas de trabalho em agência de emprego no RJ 31/03/2015 REUTERS/Ricardo Moraes

Nos três meses encerrados em maio, a taxa de desemprego estava em 13,3 por cento, enquanto que no primeiro trimestre do ano, ela havia ficado em 13,7 por cento, informou nesta sexta-feira o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) via Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.

O resultado de junho veio melhor do que os analistas consultados pela Reuters, com expectativa de desemprego em 13,3 por cento.

“O mercado cresceu pela informalidade”, disse o coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE, Cimar Azeredo. “O que se tem é uma tendência revertida na margem, mas na comparação com o ano passado, o mercado ainda apresenta forte desgaste provocado pela crise econômica e pela crise política”, acrescentou ele.

No segundo trimestre de 2016, a taxa de desemprego estava em 11,3 por cento. Agora, o Brasil tem quase 13,5 milhões de desempregados.

A melhora ocorreu mesmo em um ambiente de elevada incerteza política no Brasil, que tem afetado a confiança dos agentes econômicos. O presidente Michel Temer foi denunciado por crime de corrupção passiva após delações de executivos do grupo J&F.

No segundo trimestre, ainda segundo a Pnad Contínua, a quantidade de trabalhadores empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada subiu 4,3 por cento ante os três primeiros meses do ano. Já o trabalho por conta própria avançou 1,8 por cento.

Os dados da Pnad Contínua mostraram que a população ocupada cresceu 1,4 por cento no segundo trimestre em relação ao primeiro trimestre do ano, chegando a 90,2 milhões de pessoas. Já a população desocupada recuou 4,9 por cento, para 13,5 milhões de pessoa.

O rendimento do trabalhador chegou a 2.104 reais no segundo trimestre, abaixo dos 2.125 reais no trimestre encerrado em março e 2.043 reais no mesmo trimestre do ano anterior.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below