28 de Julho de 2017 / às 14:06 / 4 meses atrás

Setor público consolidado tem déficit primário recorde em junho, de R$19,552 bi, diz BC

BRASÍLIA (Reuters) - O setor público consolidado brasileiro registrou déficit primário de 19,552 bilhões de reais em junho, pior resultado histórico para o mês, ressaltando as dificuldades para o cumprimento da meta fiscal deste ano. Em pesquisa Reuters, analistas estimavam déficit de 19,25 bilhões de reais.

Moedas de 1 real 15/10/2010 REUTERS/Bruno Domingos

O dado foi causado pelo rombo de 19,937 bilhões de reais do governo central (governo federal, BC e Previdência), impactado no mês pelo aumento das despesas, com destaque para o pagamento antecipado de precatórios.

Em contrapartida, os governos regionais (Estados e municípios) ficaram no azul em 240 milhões de reais, enquanto empresas estatais tiveram um superávit de 145 milhões de reais.

No acumulado do primeiro semestre, o rombo foi de 35,183 bilhões de reais, maior que o de 23,776 bilhões de reais de igual período de 2016. Em 12 meses, foi a 167,198 bilhões de reais, equivalente a 2,62 por cento do Produto Interno Bruto (PIB).

Para o ano, a meta para o setor público é de um déficit menor, de 143,1 bilhões de reais, que inclui rombo de 139 bilhões de reais do governo central, de 3 bilhões de estatais federais e de 1,1 bilhão de reais de Estados e municípios.

A viabilidade da meta tem sido questionada diante da fraqueza na arrecadação que persiste, tendo como pano de fundo uma recuperação econômica ainda incipiente. Para cumpri-la, o governo também conta com um alto volume de receitas extraordinárias, em relação às quais a própria equipe econômica admite haver incertezas de realização.

Este será o quarto resultado negativo consecutivo do país, ressaltando os desafios para a retomada do reequilíbrio fiscal.

Para tentar assegurar a meta, o governo do presidente Michel Temer elevou fortemente na semana passada a alíquota de PIS/Cofins sobre combustíveis e anunciou um congelamento adicional nas despesas discricionárias, levando o contingenciamento na máquina pública a 44,9 bilhões de reais no ano.

Num reflexo da trajetória de deterioração das contas públicas, a dívida líquida subiu a 48,7 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em junho, contra projeção de analistas de 48,5 por cento e um patamar de 48,1 por cento em maio.

Já a dívida bruta avançou a 73,1 por cento do PIB, ante 72,5 por cento no mês anterior.

Por Marcela Ayres

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below