3 de Agosto de 2017 / às 13:46 / 19 dias atrás

Contração do setor de serviços do Brasil perde força em julho, mostra PMI

Senhoras tomam café em cafeteria em São Paulo, Brasil 3/5/2017Nacho Doce

SÃO PAULO (Reuters) - A atividade do setor de serviços continuou em contração em julho, embora a queda tenha ficado mais branda diante da melhora de novos negócios, de acordo com a pesquisa Índice Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) divulgada nesta quinta-feira.

O PMI apurado pelo IHS Markit subiu a 48,8 em julho, ante 47,4 em junho, mas permaneceu em contração pela 28ª vez nos últimos 29 meses pesquisados. A marca 50 separa contração de expansão.

Os novos negócios do setor voltaram a crescer em julho por causa da política de preços desenvolvida pelas companhias e pelas iniciativas de marketing das companhias. A recuperação, mostrou o PMI, ficou limitada às categorias Intermediação financeira e de Correios e telecomunicações.

Os empresários, no entanto, afirmaram que crescimento mais robusto ainda é dificultado pela demanda que segue moderada.

"As empresas conseguiram garantir novos trabalhos por meio de preço competitivo e campanhas de marketing. Em alguns casos, os entrevistados indicaram que a menor taxa de juros permitiu oferecer descontos aos clientes, apesar do aumento dos preços de alguns materiais", afirmou a economista da IHS Markit Pollyanna De Lima, por meio de nota.

Desde outubro do ano passado, o Banco Central tem reduzido a taxa básica de juros, atualmente em 9,25 por cento ao ano.

O PMI de julho também mostrou declínio nos negócios pendentes, com a capacidade ociosa das empresas levando as companhias do setor a reduzirem a quantidade de trabalhadores.

Embora o mercado de trabalho continue ruim para o setor de serviços, a taxa de corte de empregos atenuou pelo sexto mês consecutivo, atingindo o ritmo mais lento desde 2015.

Segundo a pesquisa, 40 por cento das empresas esperam crescimento no volume de produção no próximo ano, com o grau de otimismo sustentado por planos de reestruturação empresarial, aumento de investimentos, iniciativas de marketing e expectativa de melhores condições econômicas e políticas.

O PMI da indústria em julho mostrou crescimento menor e, diante da menor contração do setor de serviços, o PMI Composto avançou para 49,4 em julho, ante 48,5 em junho.

"Considerando que a deterioração das condições econômicas no Brasil persistiu em julho, o último conjunto de dados do PMI mostrou contração mais suave na atividade de serviços e crescimento contínuo da produção industrial", disse Pollyanna.

Por Luiz Guilherme Gerbelli

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below