4 de Agosto de 2017 / às 19:53 / em 4 meses

Hidrelétrica atingida por lama da Samarco deve levar mais 1 ano para voltar a operar

SÃO PAULO (Reuters) - A hidrelétrica de Candonga, no rio Doce, em Minas Gerais, ainda deve levar mais de um ano para retomar a operação, após ser invadida por lama na sequência do rompimento de uma barragem de mineração da Samarco em novembro de 2015, em um incidente que deixou 19 mortos e é considerado o maior desastre ambiental do Brasil.

Destroços de escola no município de Bento Rodrigues, que ficou coberto por lama após o rompimento de uma barragem da Vale e da BHP Billiton, em Mariana, no Estado de Minas Gerais 10/11/2015 REUTERS/Ricardo Moraes/File photo

A projeção foi apresentada à elétrica mineira Cemig e à mineradora Vale, donas da usina, pela Fundação Renova, uma entidade criada pelos acionistas da Samarco que tem concentrado os trabalhos de recuperação do ambiente, ativos e comunidades afetadas pelo incidente.

A Samarco é uma joint venture entre a própria Vale e a mineradora anglo-australiana BHP Billiton.

“A previsão da Fundação Renova é de que possa haver o enchimento do lago em julho de 2018, se conseguirem concluir os trabalhos no prazo”, disse à Reuters a área de comunicação da hidrelétrica de Candonga.

A usina, com 140 megawatts em capacidade, está paralisada desde o incidente na barragem, sem gerar energia para o sistema elétrico.

A suspensão da geração de energia acontece para evitar possíveis danos que a lama poderia causar às turbinas, mas segundo o documento visto pela Reuters análises feitas até o momento não indicam comprometimento das estruturas civis do empreendimento.

No início de 2016, relatório de uma consultoria contratada pelas donas da hidrelétrica apontou que o reservatório de Candonga recebeu 9,1 milhões de metros cúbicos em rejeitos de mineração e lama após o rompimento da barragem de Fundão.

Um documento com data de julho visto pela Reuters afirma que devem ser realizados até o final deste ano trabalhos de dragagem e limpeza do canal de jusante da usina. Posteriormente, serão necessários mais entre cinco e sete meses para recuperação das unidades geradoras e demais equipamentos da casa de força da hidrelétrica.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below