19 de Outubro de 2017 / às 13:57 / 2 meses atrás

Elevadas despesas na América Latina podem minar rating soberano, diz Moody's

SÃO PAULO (Reuters) - Os elevados níveis de despesas obrigatórias na América Latina testarão a capacidade dos governos de reduzir seus déficits fiscais, uma vez que a região lida com persistentes pressões fiscais que podem minar a qualidade de crédito soberano, informou a agência de classificação de risco Moody’s nesta quinta-feira.

A Moody’s informou ainda que o Brasil enfrenta “severas limitações” em suas contas públicas e que, com base em avaliação das despesas de 16 países da região entre 2010 e 2016, o Equador e o Panamá são os países que têm mais amplitude para ajustar suas despesas.

“O nível de flexibilidade orçamentária afeta a capacidade de ajuste dos governos se, e quando, necessário”, afirmou em nota o analista da Moody´s Michael Brown.

O Brasil está na ponta mais apertada do espectro de flexibilidade orçamentária. O país tem o índice de despesas orçamentárias mais elevado em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), a maior fatia de gastos mandatórios e o maior custo de serviço da dívida.

Por Patrícia Duarte

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below