20 de Outubro de 2017 / às 16:29 / em um mês

Governo quer manter subsidiárias regionais da Eletrobras para facilitar privatização

SÃO PAULO (Reuters) - O governo federal pretende estabelecer nas regras da privatização da Eletrobras que a companhia deverá manter suas subsidiárias regionais de geração e transmissão de energia após ser privatizada, uma exigência que na visão dos envolvidos no processo pode ajudar na aprovação dos planos junto ao Congresso Nacional e a políticos em geral.

Sede da Eletrobras no centro do Rio de Janeiro, Brasil 20/08/2014 REUTERS/Pilar Olivares

O ministro interino de Minas e Energia, Paulo Pedrosa, disse a jornalistas nesta sexta-feira que a ideia está em avaliação e pode ser uma das obrigações que o governo poderá impor à gestão da Eletrobras após a privatização, o que poderia ser estabelecido por meio da golden share que a União quer manter na companhia para decidir sobre assuntos estratégicos.

“A gente tem que ser sensível. Os processos de governo não são processos puramente técnicos, você tem que ouvir a sociedade, construir consensos, buscar o caminho do possível”, disse Pedrosa, após participar de debate na Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp).

Ele citou como exemplo a Chesf, subsidiária da Eletrobras no Nordeste, que opera usinas no São Francisco e é vista como importante para a economia da região.

“O ministro entende e é sensível a isso”, disse Pedrosa.

“A ideia é preservar a empresa como uma empresa parte da Eletrobras, mas tendo sua identidade, é um elemento que é importante, manter a sede, uma estrutura regional. Acho que nem faria sentido do ponto de vista privado... Mas politicamente talvez seja importante para viabilizar o processo”, afirmou.

Ele disse que outra exigência deve ser que a Eletrobras seja uma corporação e mantenha-se assim após a privatização, incluindo a criação de mecanismos para proteger a companhia de uma eventual oferta hostil de aquisição.

DISTRIBUIDORAS

A distribuição de seis distribuidoras de eletricidade da Eletrobras no Norte e Nordeste deverá acontecer antes da desestatização da companhia como um todo. Pedrosa disse que o data-room para o leilão das empresas deve ser aberto ainda este ano, mas não revelou a data.

Ele afirmou também que vencerá o leilão o investidor que se oferecer a assumir as empresas com o menor aumento de tarifa. Haverá, ainda, a cobrança de um “valor simbólico” na licitação.

A Reuters publicou anteriormente, com informação de uma fonte, que o leilão teria um preço simbólico de 1 real. Segundo Pedrosa, o valor será simbólico, mas mais elevado.

“Eu diria que da ordem de grandeza de um automóvel, mas ainda é simbólico”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below