October 24, 2017 / 2:45 PM / in 7 months

Mudança de controle pode livrar Renova Energia de ser vetada em leilões, diz Aneel

SÃO PAULO (Reuters) - A Renova Energia (RNEW11.SA), controlada por Cemig (CMIG4.SA) e Light LIGT3.SA, está proibida de disputar leilões do governo federal para a contratação de novas usinas de energia por um ano, após atrasos na implementação de seus projetos, mas a punição pode ser suspensa se a empresa mudar de controlador, disseram diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) nesta terça-feira.

A sinalização do órgão regulador vem em um momento em que a canadense Brookfield (BAMa.TO) negocia a aquisição do controle da Renova, em meio a uma crise financeira da companhia de energia renovável, que chegou a paralisar as obras de um parque eólico devido à falta de recursos.

“Podemos incorporar uma ideia de, na hipótese de haver transferência do controle da Renova como um todo, essa sanção... ser suspensa, ou então descontinuada”, disse o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino, ao analisar o caso da empresa.

A visão dele foi seguida pelos diretores do regulador.

“Se não (acatássemos o pleito), poderíamos impedir um possível negócio”, disse o diretor José Jurhosa, relator do processo sobre a Renova na agência.

A discussão sobre a penalidade aconteceu em reunião de diretoria da Aneel nesta terça, devido a atrasos na entrega pela Renova de uma série de usinas eólicas do complexo Umburanas.

A Renova chegou a um acordo para transferir a maior parte das usinas para a francesa Engie, que assumirá a responsabilidade pela construção e operação, mas alguns dos parques que não serão transferidos devem ter os contratos revogados. [nL2N1LA0FC]

Antes, um representante da Renova, Tiago Leite Ferreira, foi à tribuna durante a reunião de diretoria da Aneel para pedir um tratamento diferenciado no caso da companhia.

“A questão de participação em leilão, nesse caso específico, para a Renova, tem um valor importante, porque obviamente os senhores estão acompanhando pela mídia, a companhia passa por um processo de mudança de controle societário. A Brookfield está analisando a companhia”, disse ele.

Segundo Ferreira, um dos pressupostos da Brookfield para fechar a aquisição da Renova seria a possibilidade de utilizar a companhia como um veículo para crescer no setor de energia renovável do Brasil, o que incluiria a participação em leilões de novas usinas.

O governo já agendou leilões de novas usinas em dezembro deste ano, o A-4 e o A-6, que contratarão empreendimentos para início de operação a partir de 2021 e 2023.

    Por Luciano Costa, de São Paulo

    0 : 0
    • narrow-browser-and-phone
    • medium-browser-and-portrait-tablet
    • landscape-tablet
    • medium-wide-browser
    • wide-browser-and-larger
    • medium-browser-and-landscape-tablet
    • medium-wide-browser-and-larger
    • above-phone
    • portrait-tablet-and-above
    • above-portrait-tablet
    • landscape-tablet-and-above
    • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
    • portrait-tablet-and-below
    • landscape-tablet-and-below